Secretária explica os projetos do Centro de Saúde da Várzea

0
663
Renderização: Beto Scholz.


A secretária de Governança e Desenvolvimento Integrado, Simone Bender, disse que o projeto do Centro de Saúde da Várzea Grande (uma edificação 2.355 mil metros quadrados) e a troca de uso de terras para a obra cumpriram as formalidades em relação às legislações ambientais e do Plano Diretor. Segundo a secretária, não há necessidade de Estudo de Impacto de Vizinhança, nem existe área de nascente no local. A secretária prevê que em menos de dois anos a obra estará concluída. Confira a entrevista.

Por que a área escolhida para a construção do Centro de Saúde da Várzea Grande é na Rua A, do Loteamento Itaúna?

O terreno é do Município e está localizado num ponto central do bairro. Isso facilita o deslocamento da população, tanto para quem chegar de automóvel como para quem utilizar o transporte coletivo e desembarcar na Avenida 1º de Maio. Além do mais, é uma área plana, que permitirá a disponibilização interna de 46 vagas de garagem, aproximação de ambulância e acessibilidade para idosos e portadores de deficiências.

Os 2.355 mil metros quadrados de área construída previstos no projeto são suficientes para atender a população da Várzea Grande e região por quanto tempo?

A metade da área total construída servirá para instalação dos serviços de saúde (a outra parte é estacionamento). Ou seja, representa mais do que o dobro das duas unidades hoje existentes na Várzea Grande (unidade da 1º de Maio e unidade da Vila Olímpica), que juntas têm cerca de 600 metros quadrados de área. A nova estrutura pode atender bem a população pelos próximos 20 anos. Ainda assim, ficarão esperas para construir mais um pavimento no futuro.

E depois?

A região está crescendo em outras direções, como para o lado da Linha Carahá, onde já existe zona declarada de interesse social, com possibilidades de construções de moradias populares. Naturalmente, irão novas estruturas públicas de atendimento à população. Dessa forma, a tendência é que todo o outro lado da RS 115, a partir da Avenida do Trabalhador, terá sua própria unidade de saúde.

O recurso para a obra está garantido?

É uma doação de cerca de R$ 4,5 milhões da Gramado BV Resort e Incorporações, Gramado Parks Investimentos e Intermediações e da Gramado Hydros Incorporações, na forma de materiais e mão de obra, necessários para a edificação do prédio de 2.355 mil metros quadrados de área construída.

E quanto à tramitação dos projetos na Câmara Municipal?

Um dos projetos de lei busca autorização legislativa para que o Município receba em doação os materiais e a mão de obra para a edificação do prédio de 2.355 mil metros quadrados de área construída. O outro projeto de lei requer a aprovação dos vereadores para alterar a destinação de terras (uma Área Livre de Uso Público e uma Área de Equipamentos Públicos) para fins de uso de equipamentos comunitários – no caso, a construção da unidade da Secretaria da Saúde.

Restam pontos a esclarecer para a população e vereadores?

Em razão de todo o exposto, até aqui, foram observados os previstos nas legislações ambientais e do Plano Diretor, inclusive na questão do Estudo de Impacto de Vizinhança, que no caso é desnecessário (é exigido a partir de cinco mil metros quadrados). A Secretaria do Meio Ambiente também atestou que não existe nascente no local. Ainda foram realizadas duas audiências públicas na Várzea Grande. Não restam dúvidas que as formalidades legais foram cumpridas.

Quando a população vai começar a usar o Centro de Saúde da Várzea Grande?

Uma obra tocada pela iniciativa privada é menos burocrática do que pelo setor público, por isso mais rápida. A população da Várzea Grande e região (ao redor de 14 mil pessoas) pode receber o prédio pronto em menos de dois anos. Os projetos estão na Câmara Municipal desde o dia 13 de março. Agora depende da aprovação dos vereadores.