Rede de Proteção à Mulher foi lançada nesta quinta-feira

0
1208
A iniciativa do Gabinete da Primeira-Dama busca ampliar e melhorar ainda mais a qualidade do atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. Foto: Marlova Martin.


O município de Gramado, em mais uma iniciativa inédita, lançou nesta quinta-feira (3) a Rede de Proteção à Mulher. Em um dos maiores avanços obtidos nesta área, a Rede tem como objetivo reunir esforços por meio de articulações entre instituições públicas e organizações não-governamentais, buscando estratégias efetivas de prevenção e combate à violência, assistência e garantia dos direitos às mulheres.

A iniciativa do Gabinete da Primeira-Dama busca ampliar e melhorar ainda mais a qualidade do atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, prezando pela integralidade e humanização dos serviços.

Integram a Rede, o Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM), Coordenadoria da Mulher, secretarias de Saúde, Educação, Cidadania e Assistência Social, Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Conselho Tutelar, Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública, Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Universidade de Caxias do Sul (UCS Região Hortênsias), Biblioteca Pública Cyro Martins e a Associação Materna de Apoio e Empreendedorismo (AMAE).

Na ocasião, o prefeito em Exercício, Evandro Moschem, destacou o trabalho da primeira-dama Bianca Bertolucci, que liderou toda articulação na formatação da rede. “Esse combate à violência é extremamente importante. O poder público tem que intervir, se articular com a sociedade civil e organizada, junto com a universidade, com o poder Judiciário. Quero aqui te parabenizar Bianca pelo teu trabalho, pela tua luta em prol das mulheres. Parabéns a todos do Gabinete da Primeira-Dama! É dessa maneira que o poder público deixa sua marca. Gramado é case de sucesso na Rede de Apoio à Cidadania (RAC) e nós estamos implementando algo parecido, e que vai acrescentar ainda mais, vai desenvolver políticas públicas nas questões relacionadas às nossas mulheres”, disse.

Assinaram o Protocolo da criação da Rede de Proteção à Mulher, o prefeito em Exercício, Evandro Moschem, Leonardo LLano de Brito, representando a Juíza Aline Rissato, o Promotor de Justiça, Max Roberto Guazzelli, a Defensora Pública, Aline Caspani Collet, o Delegado de Polícia Civil de Gramado, Gustavo Celiberto Barcellos, a Tenente da Brigada Militar, Robriane Dalsin, a diretora do Campus Universitário da Região das Hortênsias da UCS, Margarete Fátima Lucca, a presidente da AMAE, Elisandra Chaves, e as testemunhas Elisandra Andreia de Paula e Karen Dinnebier.

Números de violência contra a mulher ainda são alarmantes

A violência contra as mulheres é muito maior que o feminismo, é uma causa de direito público, de políticas públicas para as mulheres, trata-se da luta para uma sociedade justa onde cada um é visto como um ser humano.

Ainda nos dias de hoje vivenciamos uma triste realidade. Diariamente doze mulheres são assassinadas em média no Brasil, considerando os dados oficiais dos estados brasileiros relativos a 2017. São 4.473 homicídios dolosos, sendo 946 feminicídios, ou seja, casos de mulheres mortas em crimes de ódio motivados pela condição de gênero.

Em Gramado, conforme dados do CRAM, que realiza atendimento social e psicológico individual e em grupo, em 2017 foram realizados 963 atendimentos às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. Já de janeiro a abril foram 377, o que mostra que é necessário continuar investindo em políticas públicas, trabalhando com o fortalecimento da mulher, com o empoderamento e o resgate da sua cidadania.