Projeto busca tornar Gramado interativa, cognitiva e sensível

0
1575
A Líder do IBM Think Lab (membro IBM Research), Raquel Chebabi, durante apresentação do resultado da pesquisa e do primeiro design thinking. Foto: Prefeitura de Gramado.


A partir de uma proposta desafiadora do prefeito de Gramado João Alfredo Bertolucci, o Fedoca, de aproximar famílias através da tecnologia, a IBM, uma das maiores empresas do ramo no mundo, iniciou um trabalho na cidade buscando torná-la mais interativa, inteligente, cognitiva e sensível. Os objetivos do projeto e os primeiros resultados de pesquisas foram apresentados à administração municipal e à comunidade na última segunda-feira (19), no workshop Novos Olhares.

Gramado Cidade InteliGENTE é um projeto precursor, que fará uso do sistema Watson, uma ferramenta cognitiva que possibilita uma parceria entre pessoas e computadores, com informações alimentadas pela própria população, proporcionando uma nova experiência aos turistas e também aos moradores.

A ideia surgiu a partir do projeto A Voz da Arte, da Pinacoteca de São Paulo, que utiliza o Watson para tornar o passeio ao museu ainda mais interativo e personalizado – por meio do celular do próprio usuário, visitante e arte conversam entre si. Gramado, por sua vez, será pioneira no uso da plataforma ao ar livre, e será a primeira cidade do Brasil que fará uso da tecnologia da IBM conectada com diversos atrativos. Porém, para seu funcionamento, é primordial que haja conexão de internet em todas as ruas.

O secretário adjunto de Governança e Desenvolvimento Integrado, Anderson Boeira, representante da administração municipal, apresentou os primeiros eixos do programa aos presentes. “Com o uso da tecnologia, a Prefeitura busca solucionar alguns dos problemas urbanos. Entre as ações previstas com o projeto da IBM, planejamos, além de ofertar uma plataforma cognitiva entre visitantes e atrações, internet livre para toda a população e turistas, dar mais agilidade, eficiência e transparência nos processos administrativos com uso de blockchain e bigdata, sistema que auxilia na tomada de decisões e antecipação na resolução de problemas, bem como o uso de câmeras de alta resolução para monitoramento e softwares de reconhecimentos facial e alfanumérico”, explica.

Boeira ainda apresentou outras alternativas do projeto, como uma iluminação pública inteligente com o uso de lâmpadas em LED, que pretende reduzir em 70% o custo com energia, além da geração de energia limpa para consumo nos prédios públicos e uma rede de iluminação pública a partir de fontes renováveis. Investimentos no capital humano com a busca de cursos para a formação na área de tecnologia em parceria com universidades e institutos federais e privados, e a criação de polo tecnológico para fomento e incentivo às startups e empresas de tecnologia também são metas do projeto.

Coleta de dados para aperfeiçoamento do projeto

A Líder do IBM Think Lab (membro IBM Research), Raquel Chebabi, foi a primeira painelista do workshop Novos Olhares e apresentou aos participantes as primeiras impressões e resultados do trabalho realizado em janeiro na cidade, quando ela e a Research Scientist, Heloisa Candello, entrevistaram inúmeras famílias de turistas para uma primeira coleta de dados, mapeando e conhecendo o perfil dos visitantes. A abordagem de ambas foi centrada nas necessidades humanas.

Após a pesquisa, em conjunto com gestores e representantes da administração municipal, Raquel, Heloisa e outros líderes da IBM realizaram um primeiro design thinking, que consistiu no cruzamento de três vertentes: a de atender os desejos das pessoas, buscar a viabilidade técnica e a possibilidade do negócio. Assim, em conjunto, foi possível apontar oportunidades e soluções que melhorem a experiência das famílias em Gramado.

A partir dos dados da pesquisa, a equipe da IBM identificou fatores que os turistas valorizam na cidade, como a atmosfera, o respeito ao pedestre, a temperatura e o clima, a arquitetura, os produtos locais, o Natal Luz, entre outros.

De acordo com Raquel, muitos dados levantados mostram tanto as qualidades como o que deve ser melhorado na cidade. Estes dados trazem ênfase no perfil do visitante, que vai desde casais sem filhos até grupos de amigos, e que encontram aqui uma atmosfera acolhedora, respeito aos pedestres, uma bela arquitetura, eventos de grande porte, entre outros, mas que em contrapartida enfrentam muitas vezes o trânsito intenso, o custo de vida elevado e dificuldades no acesso à internet.

“Toda a pesquisa feita com o visitante visa trazer soluções que melhorem a vida do cidadão de Gramado. Esse é o efeito colateral do estudo, pois o gramadense vai se beneficiar, diariamente, de toda a infraestrutura, de toda a tecnologia disponibilizada. Gramado foi escolhida para receber o projeto Cidade Inteligente porque tem o perfil que buscamos. Será pioneira de um projeto que, posteriormente, vamos levar para outros municípios”, completou Raquel.

Na sequência, Antonio Carlos Canova, responsável por projetos de Cidades Inteligentes e Cidades Digitais na Região Sul, abordou a tecnologia da informação como essencial para qualquer município que quer ser inteligente, tendo o conceito de inteligência artificial como o de computadores auxiliando os seres humanos a tomarem suas decisões. “Por meio de sensores, podemos medir a qualidade do ar, por exemplo. Mas a informação desses sensores tem que ir para algum lugar, tem que ser analisada e gerar uma solução”, disse.

Mostrando na prática como a tecnologia pode ser aplicada no projeto Gramado Cidade InteliGENTE, o diretor técnico da Vocatio Telecom, Alcindo Schleder, apresentou a plataforma Watson adaptada para um chatbot, onde o internauta conversa com o aplicativo, habilitado para “falar” com o usuário, via Messenger.

Por fim, o diretor Regional no Sul do Brasil da IBM, Marcelo Violento, reiterou que as ações apresentadas são as primeiras do projeto Gramado Cidade InteliGENTE, e que ele passa pelo processo de aperfeiçoamento de informações. “Estes são os primeiros resultados que apresentamos a vocês como forma de compartilhar todas as possibilidades tecnológicas que Gramado pode ter”, encerrou.

O prefeito Fedoca, o gerente de Relacionamento – Commercial RS/SC/PR da IBM, Afrânio Colussi, o diretor IBM Regional Sul, Marcelo Violento, a analista financeira da IBM, Carolina Falkenbach, a Líder do IBM Think Lab (membro IBM Research), Raquel Chebabi, e o Executivo de Ecossistema, Antonio Carlos Canova. Foto: Prefeitura de Gramado.