Prefeitura de Canela e entidades debatem sistema 3As do Governo do Estado

0
341


A Prefeitura de Canela, por meio das secretarias de Governança, Meio Ambiente e Turismo se reuniu na quinta-feira (20), no plenário da Câmara Municipal de Vereadores, com entidades, para discutir e avaliar aspectos do novo modelo de distanciamento e controle da pandemia: o Sistema 3As do Governo do Estado.

O novo modelo vem para substituir o Sistema de Distanciamento Controlado e dá mais autonomia aos comitês regionais dos municípios.Os municípios de Canela, Gramado e Nova Petrópolis pertencem à região de Caxias do Sul, da Amesne – Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste, onde os protocolos variáveis devem ser seguidos por todos os municípios ou em votação ser aprovado por 2/3 dos prefeitos.

No encontro realizado na última quinta-feira (20), cada entidade expôs suas dificuldades e um documento foi elaborado para se discutir junto a região, com importantes contribuições que possibilitam qualificar o Sistema 3ª, em especial quanto ao cumprimento dos protocolos sanitários, fiscalização e monitoramento.

O prefeito de Canela Constantino Orsolin e presidente da AMSERRA, Associação dos Municípios de Turismo da Serra protocolou o pedido junto a Amesne e destacou que “é importante trabalharmos com ações regionais pois nossos turistas circular por diversas cidades e essa integração para controle do COVID é fundamental”.Participaram do encontro Lucas Dias e Felipe Oliveira da ACIC – Associação Comercial e Industrial de Canela; Felipe Andreis, da ABRASEL – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes Hortênsias; Renato Fensterseifer Junior , da APASG – Associação de Parques e Atrações da Serra Gaúcha; Luciano Gonçalves, do Gramado, Canela Convention & Visitors Bureau Região das Hortênsias; Guido José Thiele, SINDILOJAS Hortênsias – Sindicato dos Lojistas da Região das Hortênsias; Lisa Gottschalk e Mauro Salles, do SINDTUR – Sindicato da Hotelaria, Restaurantes, Bares, Parques da Região das Hortênsias, Enedir Barreto, Sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro e Similares de Canela e Pedro Maciel, do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Canela.

Na reunião da Amesne, realizada no sábado (22), foi acordado seguir os protocolos do Sistema 3As, considerando as informações do “Observatório Regional da Saúde” que alertou para a expansão de casos positivos da Covid-19 aumento de hospitalizações em leitos clínicos e de UTIs e o acréscimo de doentes nos leitos de tratamento crítico.

O prefeito Constantino Orsolin cumpre agenda em Porto Alegre hoje (24) e tem marcado uma reunião com o presidente da Amesne, Fabiano Feltrin, para alinhar a possibilidade de novas variáveis na região. “Quero tentar que as importantes contribuições das entidades sejam pauta da próxima reunião da região” finalizou o chefe do executivo.Os secretários de Meio Ambiente e Turismo solicitam às entidades que reforcem aos seus associados o cumprimento dos protocolos do sistema 3As, qualificando as medidas de controle sanitários e adoção dos protocolos recomendados e debatidos na reunião.

NOTA DA AMESNE

Na tarde deste sábado, dia 22, foi realizada reunião com os prefeitos que compõem a Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (Amesne) e a região Covid-19, para avaliação do andamento da primeira semana do novo sistema de monitoramento da pandemia do RS e do cenário referente aos casos positivos nos municípios. Diante dos dois avisos emitidos pelo Estado para a região nos últimos dias e a observância de alta nos casos de pessoas infectadas, a Associação, através do presidente, Fabiano Feltrin, orientou os prefeitos a reforçarem a conscientização quanto aos cuidados, especialmente em ambientes como praças e parques. Além disso, os gestores públicos foram aconselhados a ampliarem a fiscalização e o rigor no cumprimento às normas e protocolos de prevenção à covid-19. A região optou por seguir os protocolos variáveis do Estado. Caso o município opte por medidas mais restritivas, têm autonomia para isso e pode publicar seu próprio decreto. É necessária aprovação de dois terços dos municípios para modificações via decreto, somente caso haja interesse em tornar as regras regionais mais flexíveis.