Polícia Civil de Canela desarticula quadrilha especializada em roubos a mão armada

0
1204


Um grupo de bandidos com ligações com uma facção criminosa do Litoral Norte do Estado, que recentemente cometeu roubos em Canela e planejava executar novos assaltos na cidade, foi desbaratado pela Polícia Civil. Na tarde de sexta-feira, 4 de maio, uma operação da DP do município prendeu um dos integrantes do bando em um estabelecimento comercial numa área conhecida como “Fundo do Campo.”

A ordem judicial cumprida era de prisão preventiva, por isso, não há prazo para que o assaltante seja solto. O nome e idade do acusado não foram divulgados à imprensa.

O líder da quadrilha está foragido, mas a suspeita da Polícia é de que ele esteja escondido no litoral. O criminoso atuava no tráfico de drogas na Vila Miná. Os demais componentes do grupo também têm contra eles mandados de prisão preventiva e estão sendo procurados.

O bando era considerado como sendo especializado na prática de assaltos a mão armada. Os criminosos eram bem organizados e audaciosos, possuíam inclusive um carro sem as identificações da Polícia Civil, mas equipado de forma irregular com uma sirene policial. Em anterior mobilização da DP de Canela, a falsa viatura foi descoberta e apreendida.

Roubo de motocicleta foi

a origem das investigações

As investigações que desarticularam o bando iniciaram na noite de 8 de abril depois que a quadrilha surpreendeu um motoboy quando ele realizava a entrega de uma pizza, no bairro Vila Suíça e fugiu com o veículo da vítima. Menos de 24 horas após a investida, a moto foi recuperado pela Delegacia.

Resultado da intensificação das apurações, os investigadores chegaram a identidade de todos os mebros do bando e o delegado Vladimir Medeiros representou pelas prisões preventivas dos bandidos junto ao Poder Judiciário.

Repressão ao crime organizado

O objetivo da Polícia Civil de Canela é efetuar a prisão de líderes de quadrilhas, desarticular esses grupos criminosos, especialmente com ligações com facções, de modo a que fiquem presos por longo período resultante de investigações técnicas e qualificadas”, destacou Medeiros.