Palestra na Câmara alertou para saúde dos homens além do Novembro Azul

0
514
Gauer abordou razões psicológicas que inibem os homens a buscar ajuda diante das primeiras complicações de saúde.Foto: Divulgação.


A Secretaria Municipal de Saúde de Canela promoveu uma palestra alusiva ao Novembro Azulna quarta-feira (27) pela manhã, na Câmara Municipal. O palestrante foi João Gauer Júnior, coordenador da Política de Saúde do Homem, da 5° Coordenadoria Regional de Saúde, especialista em Saúde Coletiva e mestrando em Ensino na Saúde.

Ele abordou uma temática além dos cuidados em relação ao câncer de próstata ao falar sobre a saúde do homem em geral. Isso porque a portaria nº 1.944, do Ministério da Saúde, instituiu desde 2009 no SUS a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem.

Gauer abordou razões psicológicas que inibem os homens a buscar ajuda diante das primeiras complicações de saúde por causa dio perfil social que os induz a “não demonstrar sofrimento”. Porém, segundo Gauer, está na hora de os homens mudarem esse pensamento, e a sociedade começar a entender um problema de próstata não é o único mal a atingir o público masculino.

Os homens não procuram se cuidar, antever problemas de saúde. Em Canela, de janeiro a setembro deste ano, 4.574 homens entre 20 e 59 anos procuraram o médico em uma UBS, enquanto que o número de mulheres preocupadas com esses cuidados é bem maior: 14.008.

Embora sejam dados próprios ao município, os números não fogem da realidade nacional. No Brasil, de cada cinco mortes entre pessoas de 20 a 30 anos, quatro são de homens; entre as de 20 a 59 anos, o índice chega a 68%.

QUESTÕES EXTERNAS

Outras causas estão relacionadas aos óbitos entre o público masculino são determinantes para esses números. De 2009 a 2015, de acordo com o Ministério da Saúde, o maior número de internações em hospitais se deu devido a envenenamento e questões externas a expor problemas com álcool, depressão e transtornos mentais que levam à tentativa de suicídio.

No enfrentamento desses problemas, há todo um condicionamento psicológico do “homem que não chora e sofre calado” e que vai buscar refúgio no álcool. Ele, ao se sentir como provedor do lar sente-se desamparado quando a idade vem e o corpo dá sinais de velhice, fazendo-o sentir-se um “peso” diante dos familiares.Para João Gauer, a sociedade acostumou-se a atentar à saúde masculina focada nos problemas de próstata e somente nesta época. Porém, o debate deve ser mais amplo e contínuo – “de novembro a novembro”, como afirmou. “O câncer de próstata não é a principal causa de morte de homens no Brasil, e nós precisamos entender que discutir a saúde do homem é muito mais amplo”, finalizou.