O suicídio travestido de acidente

0
3603
Foto: Internet.


De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que mais 800 mil pessoas suicidam por ano, no mundo. É um número expressivo que não pode ser ignorado, mas se os suicídios disfarçados de acidentes, fossem incluídos, certamente este número seria mais que o dobro.

Se você conheceu alguém que, num acidente perdeu a vida, provavelmente concordará que a forma de viver desta pessoa, não era das melhores, algo estava disfuncional, enquanto viva.

Minimizar ou reduzir este índice, é uma difícil tarefa, pois exige um profundo estudo das reais motivações que leva uma pessoa a tirar a própria vida. As políticas públicas de saúde e de alguns grupos ligados a religião, são apenas uma “cortina de fumaça” ou operação de “enxuga gelo”.

Quanto as causas, são múltiplas, mas algumas já estão identificadas, como a sensação inconsciente de não pertencimento na sociedade onde convive. Esta sensação não surge ao acaso e sim uma construção da ideação desde o momento em que o ser se dá conta de que está inserido num contexto social e não consegue compartilhar hábitos e conhecimentos. A intolerância também pode influenciar na ideação suicida.

A prática de denegrir a imagem ou humilhação como forma de educação em algumas famílias, ainda é recorrente. Crianças forjadas, neste tipo de família, serão alvos de bullying quando estiverem na escola.

No Rio Grande do Sul, estado onde há maior incidência de suicídio, muitos atribuem a fatores geográficos e esquecem a influência da religião, em especial a luterana, onde há maior número de adeptos, no país. A base desta hipótese é que este segmento religioso é não contempla o perdão.

Alguns sinais de potencial suicida: expressar ideias/intenção suicidas; sinais de vergonha/humilhação; ausência de esperança; ver a vida como algo sem sentido; pensar que são incompetentes/incapazes.

Pessoas potencialmente suicida necessitam de perdão, acolhimento, abraços para se sentirem a sensação de pertencimento.

Profissionais de psicologia e psiquiatria são os mais habilitados para cuidar.