‘O Minuano’ foi tema do projeto Natal Literário

0
1221
Tabajara Ruas recebe homenagem do secretário da Cultura, Allan John Lino, do secretário da Administração, Julio Dornelles, e da coordenadora pedagógica, Josiane Machado. Foto: Renata Garcia.


Um desafio lançado aos alunos das escolas municipais Pedro Zucolotto, Presidente Vargas, Vicente Casagrande e Dr. Carlos Nelz – CAIC, em Gramado, teve como objetivo representar o olhar peculiar de ‘O Minuano’, personagem criado por Tabajara Ruas.

O resultado não poderia ser diferente: muita música, teatro e canto marcaram as apresentações artísticas que ocorreram na última terça-feira (12) e que contaram com a presença especial do próprio Tabajara e também de professores, pais, alunos e secretários municipais.

As apresentações integraram o projeto Natal Literário, que provocou os estudantes do 3º, 4º e 9º ano das escolas a criarem releituras para a obra O Minuano, em que um cavalo narra suas desventuras durante a Revolução Farroupilha, iniciada em 1835 e que se estendeu por 10 anos. O engajamento e interesse dos alunos, segundo os professores, foi unânime. Tabajara encantou-se com as representações.

“Para qualquer escritor é um prazer ver um livro sendo trabalhado desta maneira, ainda mais em colégios. Parabéns a todos pelo belíssimo trabalho, pela iniciativa e pela sensibilidade de reunir quatro escolas para essas belas apresentações. Com toda certeza, esse é o maior presente do ano”, parabenizou o escritor.

Como surgiu o Natal Literário

A ideia do Natal Literário surgiu durante a Feira de Livro de Gramado deste ano, em junho, que teve Tabajara como patrono. A administração municipal, por meio da Secretaria da Cultura, adquiriu livros do escritor e, em parceria com a Secretaria de Educação, destinou os exemplares para as escolas municipais.

“A literatura, além de unificar, é a chave do conhecimento para o futuro, transformando a sociedade. A parceria entre professor e aluno é genial, pois consegue fundamentar esses elementos, congregá-los e trazê-los para uma comunhão”, salientou o secretário da Cultura, Allan John Lino.