Mais de 50 pessoas indiciadas pelo Cartório de Combate à Corrupção

0
1803
Segundo dados compilados pela Polícia Civil de Canela, o Cartório já concluiu 72 investigações desde sua inauguração, em julho de 2016. Foto: PC.


A Polícia Civil de Canela divulgou nesta semana dados sobre as investigações realizadas pelo Cartório de Combate à Corrupção, aos Crimes contra a Administração Pública e à Lavagem de Dinheiro na cidade. O cartório especializado foi inaugurado em 12 de julho de 2016 e completou três anos nesta semana.

O Delegado Vladimir Medeiros, titular da Delegacia de Polícia de Canela, referiu que a iniciativa é pioneira no Estado e, desde sua criação, apurou mais de setenta casos na cidade. As investigações, monitoradas pela autoridade policial, incluem práticas de crimes contra a administração pública, como corrupção ativa e passiva, peculato, concussão e prevaricação, crimes contra a administração da justiça, como denunciação caluniosa, falso testemunho e fraude à execução, além de falsidade ideológica, uso de documento falso, estelionato, crimes contra a relação de consumo, contra a ordem tributária, corrupção eleitoral, crimes contra a propriedade imaterial, abuso de autoridade, licitações e parcelamento irregular do solo urbano, entre outros.

Segundo dados compilados pela Polícia Civil de Canela, o Cartório já concluiu 72 investigações desde sua inauguração, em julho de 2016. Ao todo, 39 investigações foram concluídas com indiciamento, em que atribuída responsabilidade criminal aos investigados pelo fato apurado, representando 54% do total. Ainda, 55 pessoas foram indiciadas no mesmo período no curso das investigações.

De acordo com levantamento da Polícia Civil de Canela, foram apurados delitos envolvendo cerca de R$ 110.000,00 em prejuízo aos cofres públicos e outros R$ 810.000,00 em valores privados. Em 13 investigações do Cartório, a Polícia Civil de Canela apreendeu algum tipo de bem ou produto.

Atualmente, o Cartório possui cerca de 20 investigações em andamento.

O Delegado Vladimir Medeiros referiu, ainda, que a matéria seguirá sendo tratada com prioridade e de forma especializada pelo órgão policial, dada a relevância das investigações sob o ponto de vista do interesse público.