Jovens criam peça teatral para desconstruir pré-conceitos

1
1386
Primeira-dama Bianca Bertolucci, equipe do CRAM, junto aos jovens aprendizes do SENAC e alunos do 4º ano do Colégio Estadual Santos Dumont. Foto: Carlos Borges.


Buscando promover um aprendizado de rompimento de preconceitos, maior equidade entre gêneros e, principalmente, prevenir e combater a violência social e contra a mulher, o gabinete da primeira-dama Bianca Bertolucci, através do Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM), propôs aos jovens aprendizes do SENAC de Gramado a produção de uma peça teatral com a temática educação não-sexista, uma das três diretrizes do trabalho realizado no Centro.

A peça foi apresentada pela primeira vez nesta terça-feira (20) aos alunos do 4º ano do Colégio Estadual Santos Dumont. Já nesta sexta-feira (23), o teatro será apresentado à turma do Projeto Sapeca do bairro Piratini e aos alunos da ONG Brilho do Sol, na Biblioteca Pública Cyro Martins.

“Através dessa iniciativa e desse teatro, estamos objetivando uma educação igualitária, e é com uma educação inclusiva e não discriminatória que ensinamos a sociedade que todos são igualmente importantes e possuem os mesmos direitos, sem pré-conceitos, homens e mulheres, brancos e negros, independente do seu sexo e da sua opção sexual. São essas crianças e jovens de hoje que farão a diferença amanhã, serão eles os protagonistas de uma nova história”, disse Bianca.

Jovens aprendizes do SENAC criaram e apresentaram peça teatral com a temática educação não-sexista. Foto: Carlos Borges.

Desconstruindo pré-conceitos

Menina brinca de boneca. Menino joga futebol. Menina usa rosa. Menino usa azul. Mulher limpa a casa e lava a louça. Homem faz os trabalhos pesados e corta a grama. Frequentemente ouvimos as diferenças entre homem e mulher, expressões essas criadas e mantidas pela sociedade. Foi a partir dessas diferenças que cerca de 20 jovens aprendizes do SENAC, dos 15 aos 17 anos, produziram o teatro.

O autor da peça, Leonardo Lourenço, 17, aluno da Escola Estadual Neusa Mari Pacheco, de Canela, relata sua experiência ao elaborar o roteiro a partir da temática proposta pela equipe do CRAM.

“É um tema bem delicado, especialmente por ter que infantilizar ele. Mas fiquei muito feliz por participar dessa parceria. Pra mim, ter escrito essa peça representa uma grande vitória, pois significa que cada vez mais a sociedade está lutando para tentar estabelecer uma igualdade entre o homem e a mulher. Antigamente, as pessoas cresciam em um meio desigual. Minha geração pegou uma época de transição e acredito que se nossas crianças crescerem priorizando a igualdade ainda podemos ter esperança de que o mundo vá se tornar um lugar melhor. As crianças de hoje serão os adultos de amanhã, então é essencial que elas cresçam com uma visão mais pura da vida. Essa peça foi apenas um pequeno gesto a favor do progresso, mas é das pequenas atitudes que surgem grandes mudanças”, declara.

A primeira-dama Bianca Bertolucci relata que a ideia é que esse trabalho seja contínuo, abrangendo todas as escolas da cidade a longo prazo. “Com essa proposta, jovens ensinam a estudantes, de forma lúdica, como podemos nos despir de preconceitos e termos igualdade entre homens e mulheres. Automaticamente, esses jovens também estarão aprendendo o que estão ensinando aos outros”, completa.

O projeto educação não-sexista é inovador na cidade e conta com a parceria do SENAC Gramado, Secretaria da Educação e Biblioteca Pública Cyro Martins.

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.