Intelimagem reforça importância da prevenção no tratamento do câncer de próstata

0
327
Dr. Gustavo Rehder, médico radiologista da Intelimagem. Foto: Divulgação.


A Intelimagem Medicina Diagnóstica, com unidades em Gramado e Canela, observou uma queda na quantidade de exames de ecografia de próstata realizados em suas clínicas neste ano. Entre janeiro e outubro de 2020, a queda registrada pela Intelimagem na quantidade destes exames, importantes para o diagnóstico e prevenção do câncer de próstata, foi de 37% em relação ao mesmo período do ano passado. “Assim como os exames de mamografia, essa diminuição pode estar atrelada com a pandemia e o receio em realizar exames preventivos devido ao medo de contágio do novo coronavírus, bem como problemas na economia, com queda na renda das famílias, perda do plano  de saúde e desemprego. Mas é importante observar que a redução no número de exames de mamografia, relacionados às mulheres, foi de 9% em 2020, enquanto os exames de ecografia de próstata, relacionados aos homens, teve diminuição maior”, salienta o Dr. Gustavo Rehder, médico radiologista da Intelimagem.

Segundo Rehder, essa diferença indica que os homens podem ser mais suscetíveis aos fatores socioeconômicos e biossociais no que se refere à prevenção e diagnóstico de doenças. “Os homens são mais avessos à prevenção e ao autocuidado, protelando a procura do atendimento médico. Com isso, as doenças se agravam e são diagnosticadas somente nas fases mais avançadas. É por este motivo que as campanhas do Novembro Azul são tão importantes, afinal, os homens precisam se conscientizar sobre a prevenção de doenças e riscos evitáveis” observa, acrescentando que a doença é considerada como um sinal de fragilidade que os homens não reconhecem. “O homem julga-se invulnerável, o que contribui para que cuide menos de si. A isto se acresce o fato de que o indivíduo tem medo que o médico descubra que algo vai mal com a sua saúde, o que põe em risco esta crença de invulnerabilidade”.

Atualmente, o câncer de próstata é o tipo de câncer mais comum entre os homens no Brasil, com 65.840 novos casos por ano, sendo 62,95 casos novos a cada 100.000 homens. É a causa de morte de 28,6% dos homens no país, com uma morte a cada 38 minutos. “Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata, como dificuldade de urinar e aumento da frequência de vontade de urinar. Em 95% dos casos de câncer de próstata, estes sintomas, que também podem incluir sangue na urina e no sêmen, só aparecem quando a doença está em fase avançada. Por isso é fundamental o diagnóstico precoce para a cura” aponta o Dr. Gustavo Rehder.

Achados no exame clínico (toque retal) combinados com o resultado do exame de PSA no sangue podem sugerir a existência de câncer de próstata. Nesses casos, é indicada a ecografia de próstata, que poderá mostrar a necessidade de biópsia. “A idade é um fator de risco importante para o câncer de próstata, já que a incidência e a mortalidade aumentam significativamente após os 50 anos. Portanto, o indicado é realizar o exame periodicamente após os 50 anos, ou a partir dos 45 anos para quem possui histórico da doença na família e tenha fatores de risco, como obesidade”, explica Rehder. Além da obesidade, má alimentação, falta de atividade física, consumo de álcool e fumo são fatores de risco para o desenvolvimento de câncer. Uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, e com menos gordura, ajuda a diminuir o risco de câncer. Outros hábitos saudáveis também são recomendados: fazer, no mínimo, 30 minutos diários de atividade física, manter o peso adequado à altura, diminuir o consumo de álcool e não fumar.