Identificado motorista que atropelou turista na RS-235 e fugiu sem prestar socorro

0
5526
Jeep Compass, com placas de Tramandaí foi localizado em uma oficina em Porto Alegre. (Foto: Polícia Civil/Divulgação)


A Polícia Civil de Gramado esclareceu o atropelamento de um turista que ocorreu por volta das 7h30 do dia 9 (domingo) deste mês na RS-235, em direção à Canela. O motorista do carro que atingiu o visitante fugiu do local dos fatos sem prestar socorro à vítima. Boaz Marques de Brito, 58 anos, foi colhido quando corria pela rodovia.

Após, o acidente, Boaz foi socorrido, mas devido a gravidade dos ferimentos que sofreu, foi encaminhado para o Hospital Pompéia, em Caxias do Sul e recentemente transferido para São Paulo, cidade onde reside, ainda em estado grave. “A vítima sofreu lesões severas na cabeça,” conta o delegado Gustavo Barcellos.

Conforme a autoridade policial, o condutor e o veículo que atropelou Boaz foram identificados esta semana devido a uma minuciosa análise das imagens captadas por câmeras de vigilância eletrônica do comércio situado ao longo da estrada, mas principalmente as fornecidas pelo sistema público de monitoramento eletrônico.

Inicialmente, os investigadores suspeitavam que tinha sido uma camionete quem atropelou o turista, mas um dos olhos eletrônicos do sistema público localizado na rotatória da Praça das Mães revelou que o veículo é um Jeep Compass cinza, com placas de Tramandaí.

Os policiais descobriram que o motorista do carro é um empresário, de 29 anos, do ramo da construção civil e urbanização, que reside em um loteamento de alto padrão em Canela.

Durante buscas na sede da empresa do acusado situada no Distrito Industrial, o rapaz confessou que foi o responsável pelo atropelamento de Boaz. Interrogado na Delegacia de Polícia, o empresário alegou que seguia em direção à Canela e teve a sua visibilidade ofuscada pelo sol não percebendo que tinha atropelado uma pessoa, por isso, não parou para prestar socorro.

Câmeras registram o momento do atropelamento, confira no link abaixo:

RETORNOU AO LOCAL DO ATROPELAMENTO

O jovem relatou que quando chegou em casa, constatou os danos causados no seu veículo e juntamente com um amigo e em outro carro voltou ao local dos fatos, mas quando chegou no ponto onde ocorreu o atropelamento, não havia “mais nada”.

“Ele disse que ouviu notícias sobre o atropelamento, mas como não sabia que era do seu caso, não se apresentou à Polícia,” destaca o delegado Barcellos.

O empresário também narrou à Polícia que tinha dormido em Novo Hamburgo na casa de um conhecido, acordou cedo e estava retornando para sua residência, em Canela. Ele negou que dirigia sob influência de bebida alcoólica.

A Polícia acredita que ele transitava em alta velocidade por causa da violência do atropelamento. “As imagens mostram ele andando de forma anormal pela rodovia, seguindo por várias vezes, pelo meio da estrada,” releva Barcellos.

O delegado solicitou uma perícia nas imagens para apontar a velocidade média em que o empresário trafegava com o Jeep Compass.

TENTATIVA DE OCULTAR O CRIME

As investigações revelaram que por meio da Delegacia Online, o motorista registrou em 14 de junho, cinco dias após o atropelamento de Boaz uma falsa ocorrência, onde informou que tinha atropelado um cavalo na RS 020. “Ele fez isso com a intenção de ocultar o fato e para justificar os danos para fins de seguro,” explica Barcellos.

O Jeep Compass foi encontrado por agentes da 11º DP de Porto Alegre em uma oficina na capital gaúcha. O veículo já estava passando por reparos. O caso é tratado como lesão corporal culposa qualificada devido a omissão de socorro, mas a sua tipificação pode ser agravada.

“As investigações prosseguem para apurar a versão dele (acusado) e novos elementos também serão avaliados,” afirma o delegado Gustavo Barcellos. O nomo empresário responsável pelo atropelamento não foi divulgado pela Polícia Civil. Ele está respondendo ao processo em liberdade.

Delegado Gustavo Barcellos continuará com as investigações sobre o delito. (Foto: Laura Silveira)