Funcionalismo rejeita proposta da Prefeitura sobre reposição salarial da categoria

0
2330
Por maioria, servidores rejeitaram proposta e pedem dissídio de 10%. (Foto: Divulgação)


Por ampla maioria de votos, os servidores municipais de Gramado rejeitaram a proposta do Executivo referente ao dissídio anual da categoria. Em assembleia geral, realizada na terça-feira, 13 de março, os trabalhadores foram contrários ao índice de 3% de reposição salarial que foi apresentado pelo governo municipal ao Sindicato dos Servidores Municipais de Gramado (SSMG).

O Portal Gramado News não teve acesso aos dados internos da reunião, para divulgar o placar da votação, mas obteve a confirmação de dirigentes do SSMG de que a desaprovação ocorreu por ampla maioria, sendo que 156 pessoas participaram da Assembleia.

 A categoria vislumbra o índice de 10% de dissídio conforme está previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2017. Para tornar o pagamento desse percentual em uma realidade, os trabalhadores sugerem a Prefeitura o pagamento da reposição salarial em duas parcelas, sendo a primeira em 31 de março e a outra em 31 de julho.  A direção do SSMG apresentará ao prefeito Fedoca Bertolucci (PDT), o resultado da assembleia.

 A vice-presidente da entidade, Queli Boch destaca que os indexadores comumente utilizados para o cálculo do dissídio como o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) resultou -0,42, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) ficou em +1,81 e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulou em +2,84. Os índices inflacionários correspondem ao perídio de março de 2017 a fevereiro de 2018.

 Ganho real para os servidores

 Ela lembra que se nos últimos 15 anos, o indicador utilizado para fixação de reposição salarial do funcionalismo público municipal foi o IGP-M. Todavia, a categoria busca um aumento real e está se baseando na previsão da LOA que é de 10%. “O Sindicato sempre busca a reposição salarial e ganho real”, afirma Queli.

O dissídio em discussão abrange servidores comissionados (CCs), efetivos e contratados, lotados na Prefeitura, Câmara de Vereadores e autarquia Gramadotur.

 

Mais de 150  trabalhadores participaram da assembleia