Filosofia poética

0
712
dieison correto


Nosso mundo está mudando.

Nossa gente não mais é nossa.

Nossos jovens já são mais moços.

E nossa vida já se está findando.

Este trecho de poesia retrata um pouco de nossa realidade. Ao escrever “nossa” reflito sobre a humanidade. Somos todos criaturas criadoras de criaturas. Mas, infelizmente, cada vez mais nossos jovens estão perdendo a vida em vão. “Nossa gente não mais é nossa”, são do mundo. São de um mundo distante de nossa realidade social. Cabe aqui um epitáfio para ser enaltecido. 

“Têm tudo, mas não têm nada”

Este texto enaltece a necessidade de viver. De uma outra maneira, uma fórmula para viver melhor. Vê-se muito em nossos noticiários casos de assalto, roubo, morte e outras coisas ruins. Contudo, algo muito pior ainda, jovens. A base da sociedade não mais vinculada em nosso meio. Entristecidos todos ficamos. Mas, como eles se percebem? Será que compreendem o mal que fazem para eles mesmos? Quando chegar o tempo, quando o jogo acabar, não adiantará revogar: “Nossa vida já está se findando”.

Mas, “O mundo está mudando”. Esperamos que nossos jovens também. Não é nenhum apelo, mas uma proposta do bem. Caros leitores, escrever é letal. Muitas vezes acertamos com palavras especiais. Outras vezes, erramos pela falta das mesmas. Mas, é melhor errarmos na escrita que para o resto da vida.

Todos somos espelhos. Todos refletimos quem somos. Todos nós nos espelhamos em alguém. Mas também, em não fazer o que se fez. Aprendemos com os acertos e erros. Mas erraremos muito para acertar. Por fim, é preciso corrigir os nossos jovens (filhos, amigos, familiares) para eles não errarem quando o tempo acabar.

E assim cantarmos juntos:

Nossos jovens agora nossos.

Somos todos da mesma estirpe.

Nossos adultos agora moços.

Nossa vida a seu bom fim.