Festival de Cinema: Educavídeo apresenta cinco curtas e um média metragem

0
916
Turmas do Educavídeo no Tapete Vermelho. Foto: Diego Vara.


A abertura oficial do 46º Festival de Cinema de Gramado ocorre somente na sexta-feira (17), mas, na noite anterior, o Palácio dos Festivais abre suas portas para a já tradicional avant-première do evento, quando o público pode conferir a produção dos jovens cineastas gramadenses. São obras produzidas dentro do escopo do Programa Municipal Escola de Cinema, o Educavídeo, que em 2018 acolhe 75 alunos de colégios públicos de Gramado, oferecendo capacitação em técnica audiovisual.

Neste ano, a mostra Educavídeo, que tem entrada franca, inclui seis produções: cinco curtas e um documentário em média-metragem que resgata a memória dos 20 anos da Corrida pela Vida em Gramado. “Esta produção será um divisor de águas, pois foi a primeira obra realizada através da Produtora Experimental do projeto, que conta com os equipamentos do Núcleo de Produção Digital (NPD), entregues no ano passado pelo Ministério da Cultura”, celebra a secretária de Educação de Gramado, Gilça dos Santos Silva.

A evolução da tecnologia disponível na iniciativa e o aprimoramento técnico dos alunos chamam atenção nas obras que serão apresentadas. A primeira evidência é justamente o documentário “Corrida pela vida: uma jornada de gratidão”, que reuniu em si dois desafios aos alunos: o formato mais longo (são 30 minutos de filme) e o gênero documental, que exige aptidões diferentes das necessárias para a ficção, a que estavam mais habituados. “O trabalho ficou muito bom, tem entrevistas variadas, e os alunos acompanharam o evento em Gramado e também em Porto Alegre”, elogia a professora do Educavídeo Amanda Menger.

Mesmo entre os curta-metragens, é possível notar a evolução da qualidade do programa e da capacitação dos alunos, avalia Amanda. “As temáticas escolhidas são muito diversificadas, o que mostra que eles estão ampliando a capacidade criativa”, sugere a docente. A safra de 2018 oferece comédias, dramas românticos, suspenses, e até um filme non-sense. O tratamento das narrativas também se complexificou, revela Amanda. Há camadas de significados que vão se revelando aos poucos e abordam questões importantes na contemporaneidade como o bulling ou os relacionamentos abusivos.

Além da noite de estreia das produções, no Palácio dos Fetsivais, os filmes do Educavídeo farão parte da mostra Cinema nos Bairros, que percorre localidades afastadas do centro de Gramado com programação de cinema ao longo dos dias do festival. As produções também estão disponíveis no canal do YouTube do programa.

Consolidação

O Educavídeo nasceu em 2011 como um projeto experimental, foi se aprimorando ao longo do tempo e, desde 2016, é um programa oficial do município, o que assegura sua continuidade independente da administração de plantão. O sucesso é reconhecido publicamente por toda a comunidade e pode ser atestado pela permanência dos alunos no projeto ao longo do tempo. Atualmente, por exemplo, existem as turmas iniciantes (7º ano do Ensino Fundamental), intermediárias (8º e 9º anos) e avançadas (Ensino Médio), mas também uma turma especial, composta de alunos que já deixaram a escola, mas querem seguir trabalhando com criação. “Muitos também decidiram seguir carreira, e estão cursando produção audiovisual, teatro, design na faculdade”, revela Amanda.

E mesmo para quem opta por outros segmentos profissionais a passagem pelo Educavídeo ajuda no desenvolvimento de habilidades. “Principalmente o senso de responsabilidade e de autonomia. Durante a realização de um filme, seja curtíssima, curta ou média, eles encontram muitas dificuldades e precisam buscar soluções. Nós professores não fazemos nada, só orientamos e oferecemos ferramentas, mas quem coloca mesmo a mão na massa são eles”, elogia.

Ela exemplifica esse amadurecimento com um “case” que será apresentado no Palácio dos Festivais esse ano: o curta “Adágio”, que foi realizado com excelência técnica em poucos dias. A produção foi iniciada diante da desistência do plano de lançar no Festival de Cinema o primeiro episódio da segunda temporada da websérie “Os crimes do arroba”. “Os alunos acharam que tinham que apresentar algo no lugar e, em uma semana, me surpreenderam com o roteiro decupado, soluções para figurino e locações, equipe pronta”, conta.