Estreia em casa na Libertadores 2018 e a obsessão por ser “maior” Grêmio da história

0
1276


A segunda rodada da Copa Libertadores da América 2018 vai marcar a volta de uma partida da nossa maior obsessão na nossa casa. A última partida de Libertadores que a Arena viu foi há pouco mais de quatro meses, quando Jael deixou Cícero na cara do gol e marcou o tento que abriu o caminho das finais do Tri Campeonato.

Hoje já estamos em busca do tetra, que pode nos converter no maior brasileiro na história da competição. Depois de um empate na estreia no Uruguai contra o Defensor, o adversário é o frágil atual campeão da Venezuela: o Monagas. Time fundado em 1987, apesar de ser o campeão do momento do seu país, é neste quarto dia de Abril de 2018 o penúltimo colocado do campeonato nacional. O Grêmio entra em campo precisando vencer para encostar no líder do grupo Cerro Porteño que tem 100% de aproveitamento nos dois jogos que disputou. Deve ser um jogo de vitória tranquila para os comandados de Renato Portaluppi que vivem uma fase absurdamente boa. Destaque que hoje contra o Monagas os jogadores Grohe, Luan e Ramiro chegam a mesmo número de partidas pela competição que Luís Carlos Goiano, Arce e Renato, ídolos das melhores fases do Grêmio.

No domingo, o grupo encaminhou o título gaúcho já no primeiro jogo da final goleando o Brasil de Pelotas com facilidade por 4 a 0 na Arena. Destaque que o time que “seria rebaixado” no torneio estadual matou todos os jogos de mata-mata na competição já no primeiro jogo: 3 a 0 no rival vermelho nas quartas, 3 a 0 no Avenida na semi e agora um sonoro 4 a 0 na final contra o Brasil de Pelotas. Destaco as atuações de Jael e Everton nesta última partida. Outrora contestado, Jael deu duas assistências (uma de letra), cabeceou a bola que originou o rebote no gol de Alisson e vem mostrando uma confiança absurda.

Everton, eu já afirmei: no dia que Arthur e Luan saírem, vai ser o grande craque do Grêmio. Está evoluindo muito, lembrando a evolução de Pedro Rocha de 2015 quando finalizava mal até 2017 quando foi embora deixando saudades.

Ramiro marcou de novo, de falta. É lindo ver nosso conterrâneo cada vez mais afirmado no seu time do coração. Está já é a sexta temporada de Ramiro no Grêmio. A terceira como titular.

Que momento vive o Grêmio! Aposto todas as minhas fichas que se tornará o maior Grêmio da história. Comandado pelo maior ídolo de todos, falta apenas mais um grande título para isso se confirmar.