Esculturas Parque Pedras do Silêncio em Nova Petrópolis celebra 7 anos

0
664


Mais de 200 mil pessoas já passaram pelo Esculturas Parque Pedras do Silêncio, atração turística de Nova Petrópolis, a 20 km de Gramado e a 100 km de Porto Alegre, desde que suas portas se abriram, em 2014. Turistas de todos os cantos do país prestigiaram as mais de 80 esculturas em pedra que resgatam a história da imigração germânica, dispostas por 20.000 m². O espaço, além da riqueza cultural, conta com grandes jardins e mais de 25 espécies de árvores nativas preservadas, local ideal para um dia de descanso, belos registros e até um piquenique, serviço oferecido a partir de reserva. 

Toda a saga, os costumes e as tradições, além das principais profissões que ajudaram no desenvolvimento socioeconômico da região, podem ser prestigiados agora também por deficientes visuais. Recentemente, foi feito o lançamento de uma plataforma que possibilita a visitação com audiodescrição, além do trajeto ter sido projetado para que o parque seja totalmente acessível. 

Inspirações para a criação da atração

Em uma viagem de férias, Valmor Heckler, fundador do Esculturas Parque, conheceu o Jardim das Esculturas, do artista Rogério Bertoldo, em Júlio de Castilhos (RS). A partir de então, começou a projetar junto com o irmão Claudionor uma proposta semelhante, que possibilitasse o acesso à arte e à cultura para muitas pessoas. “Fiquei extremamente empolgado com a possibilidade de poder contar boas histórias de forma diferente”, conta Heckler.

Para tirar o projeto do papel, a primeira etapa foi o mergulho na história da imigração na região, com a colaboração de diversos historiadores e descendentes de alemães. Após todo o período de estudos, o roteiro histórico foi montado para, então, darem início à produção das obras. Cristovão Hullen, o próprio Rogério Bertoldo e Rodrigo de Azevedo, foram os três escultores responsáveis por tornarem as ideias realidade. Da montagem do roteiro até as esculturas ficarem prontas foram 4 anos.

“Abrimos as portas com 60 esculturas, mas ainda estávamos longe do que tínhamos sonhado em se tratando de vegetação e ajardinamento. Não tínhamos expertise e tínhamos um colaborador apenas. Nós fazíamos tudo – atendíamos o público, guiávamos os grupos nas visitas, cuidávamos do jardim, das plantas etc”, relembra Heckler. Hoje, mais de 10 pessoas fazem parte da equipe responsável pelo parque.

Conforme o fundador, o tempo em que estiveram fechados devido à pandemia trouxe grandes ensinamentos. “Foi momento de reflexão sobre o trabalho e possíveis melhorias. Sentimos hoje que as pessoas estão procurando espaços ao ar livre, que agreguem conhecimento e proporcionem bons momentos. E tenho certeza que temos muito a contribuir nesse sentido”. Ele já sente um forte retorno às visitações.

Um local de família

Aos poucos, os filhos de Valmor começaram a auxiliar nas demandas do parque e, agora adultos, tomaram a frente do negócio com o pai. Gabriel e Eduarda, são peças fundamentais nesse novo momento. Os dois investiram esforços na presença digital do espaço e trouxeram a ideia de criar ambientes que instigassem registros para as redes sociais, os chamados “espaços instagramáveis”, que têm feito grande sucesso entre os visitantes. 

Para 2022, a ideia é realizar ampliações nos atrativos do parque. Será inaugurada uma cafeteria com produtos artesanais, em um ambiente que remeterá ao passado.