EMEIs de Nova Petrópolis vão trabalhar com atividades à distância

0
652


As Escolas Municipais de Educação Infantil (EMEIs) de Nova Petrópolis, que estão com as aulas suspensas desde o dia 19 de março por conta da pandemia de coronavírus, vão ofertar atividades sugestivas para as famílias de estudantes matriculados.

Os conteúdos, elaborados pelos professores das Instituições de Ensino, serão enviados aos pais dos estudantes por meio de redes sociais a partir do dia 18 de maio. A ação é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Desporto em conjunto com as equipes diretivas das EMEIs e que objetiva promover a interação nas famílias, com pais e estudantes desenvolvendo as atividades educacionais e lúdicas de forma conjunta em suas casas.

Cada EMEI será responsável por desenvolver seus próprios materiais e também definir os critérios de envio para as famílias dos estudantes. As atividades programadas, que serão elaboradas pelas equipes de profissionais da Rede de Ensino Municipal e da ATURMA atuantes nas EMEIs, direcionadas para as crianças, vão primar pela criatividade, interação e participação dos integrantes da família. Além disso, o acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) será disponibilizado à todos os profissionais da Educação Infantil, que poderão utilizar a plataforma para o compartilhamento de materiais e ideias sobre os atividades em desenvolvimento.

Para o secretário de Educação, Cultura e Desporto de Nova Petrópolis, Ricardo Lawrenz, o envio de atividades educacionais voltadas para as crianças configura uma importante atividade pedagógica. “O envio das atividades sugestivas para as famílias é uma forma de manter as crianças ativas, auxiliando em seu aprendizado. Como não há previsão concreta sobre o retorno das aulas presenciais precisamos nos reinventar enquanto Secretaria de Educação e educadores. Comunicamos os pais sobre esse procedimento e esperamos uma boa adesão”, explica o secretário, que citou aproveitou para citar o caso da Prefeitura de Alvorada, que foi obrigada pelo Ministério Público de Porto Alegre a fechar as Escolas Municipais de Educação Infantil, que tinham sido reabertas com 30% da capacidade.