E deu Saudade

0
237

Em dois dias de assuntos aleatórios com coisas do dia a dia, me vi envolvido pela nostalgia. Foi uma sequência de pequenos momentos que coincidiam sobre o mesmo assunto.

Em um determinado ambiente me deparei com um pacote de miniaturas de sorvete seco. Esses eram de marshmallow e dentro havia um recheio cítrico meio ácido que dava um “tchã” no doce. Combinação perfeita. Não resisti e cada vez que passava por eles, os mini sorvetinhos, era menos um no pacote. Busquei me distrair com outros assuntos e dali a pouco um amigo que por ali estava se viu na mesma situação. Ao conversar divagamos nas lembranças que os mini sorvetinhos acionaram. Sorvete seco com aquele brindezinho grudado nele, normalmente bixiguinha mas tinha vez que eram soldadinhos de plástico. Lembramos também da  Maria mole, do Merengue, do Chocolate Kri e por aí fomos.

Em outro momento, em uma festa intimista aconteciam músicas lá de muito tempo atrás e as pessoas cantavam junto melodias como El Reloj,  Felicidade, entre outras. No dia seguinte conversando com outro amigo sobre os pontos positivos dessa festa em um ambiente com objetos antigos que decora o seu escritório, aconteceu outra viajem no tempo, lá fomos nós para a época em que o pão fresquinho era vendido quase que de porta em porta, o leite era colocado nos tarros frente as casas, as carnes eras preparadas e guardadas envolvidas na própria banha porque assim duravam mais e fomos longe lembrando.

Em cada uma dessas conversas, várias caixinhas de lembranças me vinha a mente um turbilhão de lembranças. Tenho a impressão que o gosto do refrigerante era diferente naqueles tempos, era melhor. Em alguns mercados tinha o café moído na hora com aquele cheirinho que sentíamos a distância e isso é coisa rara de ser ver hoje. 

Enfim, cada um tem na caixinha das lembranças, são momentos, são objetos e receitas. Sim, muitas receitas. Bolo de chuva, pão frito, bolo e tortas, café bem quente e tantos outros quitutes e suas variações e combinações, cada qual com seus aromas e sabores e na sua grande maioria receitas simples que ficam impregnadas em nossa memória.

Há a significância do momento que define uma época para cada um, mas em cada época não importa qual, me parece que há um ponto em comum, a simplicidade. Receitas simples com aquele cheirinho gostoso e aquele sabor inesquecível e em todas elas há as mãos que fazem esses momentos incríveis acontecerem.

Sejamos nós as mãos geradoras de boas lembranças para as gerações futuras, pois é de nós e do que fizemos que os pequenos irão lembrar no futuro. E que sejam cheirosas e saborosas as nossas receitas.