Duas mulheres, dois exemplos de fé e perseverança

2
8337
Liziane (à direita) e Gabriela descobriram a doença este ano e resolveram encarar o processo de forma positiva. Foto: Laura Silveira.


Gabriela Dressel (32) e Liziane Baqui (38), duas mulheres diferentes, mas com duas coisas em comum: a força e a fé. Gabi se define uma mulher perseverante, criativa, simples e “pé no chão”. Já, Lizi, se descreve como uma pessoa feliz e determinada, que busca sempre vencer os obstáculos.

Além da força e da fé, as gramadenses tem mais algo em comum, elas descobriram este ano que estão com câncer de mama. São duas, das 57. 960 mulheres – segundo pesquisa do INCA em 2016 – que receberam o diagnóstico da doença.

Elas contam que ao receber o resultado do exame, ficaram sem chão. Mas logo pensaram na família, lembraram dos filhos e o quanto queriam estar com eles. “Sabia que teria que ser forte. Afinal era mãe, meu filho tem 6 anos e não queria que me visse sofrer. Preciso ensiná-lo a encarar a vida de frente e sem medo, nada melhor do que o exemplo”, relata Gabriela.

“Levantei com uma força que com certeza veio de Deus e decidi enfrentar de uma forma leve pois Deus é bom o tempo todo, momento algum questionei a Deus, entendi que era tempo de crescimento espiritual na minha vida”, conta Liziane.

Há alguns anos, pesquisas científicas tem comprovado que pacientes que mantêm uma atitude positiva durante o tratamento do câncer tem mais chances de vencer a doença. A fé e o apoio da família também são fundamentais na hora de enfrentar o diagnóstico.

A médica oncologista do Hospital Geral e Especialista em Câncer de Mama pelo Instituto Europeu de Oncologia em Milão, Dra Janaína Brollo, explica que estudos demonstram que a auto-estima e o apoio dos amigos e familiares estão diretamente relacionados à sobrevida no tratamento do câncer. Portanto, a forma de como é encarado o processo de diagnóstico e tratamento tem fundamental importância para as pacientes.

Gabi e Lizi, uma lição de vida

“Se pudesse voltar no tempo e mudar tudo. Não mudaria nada”
O marido da Gabriela também raspou a cabeça quando ela iniciou o tratamento. Para não tornar chocante para o filho eles resolveram deixá-lo pintar. Foto: Gabriela Dressel.
“Sou Gabriela Kroetz Dressel Corrêa, tenho 32 anos, trabalho na Assistência Técnica ( Call Center) da Famastil Prat-k. Atualmente estou afastada devido ao tratamento. Descobri no início de 2017. Meus nódulos não eram palpáveis. Mas desde a metade de 2016, comecei a perceber que o bico do seio direito estava retraindo. Fazia o autoexame, porém não sentia alterações. Isso me me deixava de certa forma curiosa: O que pode ser? Quando fui na ginecologista em janeiro de 2017 comentei referente a isso e então  ela solicitou que fizesse uma ecomamaria e a mamografia. O médico q realizou a ecomamaria após terminar o exame conversou comigo. Na saída ele falou: – Infelizmente tu não vai ter um início de ano muito bom.Naquele momento ele me tirou o chão. Mas de uma certa forma, foi o que me levou a encarar e ver isso de outra maneira. Em fevereiro recebi o resultado da biópsia. Era maligno. Mas de uma certa forma já tinha me preparado. Não é fácil receber esse diagnóstico, mas também não é o fim. Sabia que teria que ser forte. Afinal era mãe, meu filho tem 6 anos e não queria que me visse sofrer. Preciso ensiná-lo a encarar a vida de frente e sem medo, nada melhor do que exemplo.Sabia que a pior parte seria dar a notícia aos familiares e amigos. E foi assim q comecei a olhar o lado bom de tudo, mesmo em um momento tão difícil. A certeza que tinha que ser a força para aqueles que me apoiam neste momento. Fui encaminhada para o mastologista, que aconselhou  a fazer a mastectomia radical bilateral ( ambos os seios). Em março realizei a cirurgia juntamente com a reconstrução mamária.Em maio comecei a quimioterapia. Optei por cortar o cabelo antes de iniciar o tratamento. Doei para o Banco de Perucas do Hospital Geral de Caxias do Sul. Destinado a pacientes que como eu também estavam em tratamento. A maioria dizia que está seria a fase mais difícil, mas pra mim não foi. Pois estou curtindo minha careca. Afinal é passageiro, e o cabelo cresce novamente. Optei pelo lenço ao invés de peruca. O que me proporcionou uma grande experiência. Vejo medos, mitos e preconceitos das pessoas. Não tive quase nada de reações durante o tratamento. O que colaborou para que levasse uma vida quase normal. Nunca em nenhum momento me senti ou quis me sentir doente. No dia em que recebi o diagnóstico disse ao câncer: – Aqui tu errou o pulo. Pegou a pessoa errada. Pois eu vou lutar.Sempre acreditei em Deus e no poder da fé. Sabia que não estava só. No dia 23 de outubro fiz a última quimioterapia. E o que posso dizer em palavras? -Está sendo uma experiência incrível. Se pudesse voltar no tempo e mudar tudo. NÃO MUDARIA NADA! Deixaria tudo como foi e está sendo”.

“Sei hoje, que 2017 está sendo um ano muito bom. Não será esquecido ou apagado. Será lembrado como um ano incrivelmente Incrível, apesar de tudo que passei”.

 

“É tempo de crescimento espiritual na minha vida”

Liziane Baqui é casada com Henrique, tem 2 filhos Ketlyn 18 anos e Pedro 11meses, 2 enteados Leandro e Luana. Foto: Flash Top
“Me chamo Liziane Baqui Paim, tenho 38 anos, casada com Henrique, tenho 2 filhos Ketlyn 18 anos e Pedro 11meses, 2 enteados Leandro e Luana. Estava em uma fase maravilhosa, pois lutamos alguns anos para ter nosso bebê, com fertilização até que nosso milagre chegou e junto veio muita alegria a todos da família. Também estávamos envolvidos na igreja com grupo em nossa casa, tudo que amo fazer.
No mês de maio detectei algo na mama com o auto exame, logo procurei o médico e fiz mamografia e ecografia. Os resultados deram mastite. Como amamentei até pouco tempo, tudo fazia pensar que era mesmo, iniciei tratamento com antibióticos repeti exames e nada de melhorar, inclusive aumentava muito rápido.
Foi então que final de agosto recebi o diagnóstico câncer de mama. No primeiro momento um grande susto, até porque estava em um tamanho avançado. Só pensava como seria todo processo, quimioterapias, cirurgia e reações já que meu bebê é pequeno e dependente de mim, gritei e chorei muito e fui aos pés de Jesus, no mesmo dia levantei com uma força que com certeza veio de Deus e decidi enfrentar de uma forma leve pois Deus é bom o tempo todo, momento algum questionei à Deus, entendi que era tempo de crescimento espiritual na minha vida, familiares e amigos e com certeza em minha vida pessoal.
Após o diagnóstico resolvi continuar fazendo tudo que estava realizando. Continuamos com o grupo em nossa casa, cuido da minha família, faço tudo com alegria, não fico olhando para a circunstância mas tenho olhado para Deus, tenho muita fé e sei que logo esta tempestade vai passar. Não me sinto doente, graças à Deus não tenho tido reações, claro sem contar o cansaço e a queda de cabelo que achei que seria muito difícil, quando percebi que começou a cair logo fui raspar, e não é que estou curtindo meus lenços.
Tento levar tudo de uma forma mais leve, creio que ter meus familiares, amigos, a igreja Vida Nações tão amorosa, pois vivem o que pregam, por perto tem me dado força. Meu esposo sempre prestativo e amoroso, minha filha uma doçura, sempre preocupada com minha alimentação e bem estar e meu gurizinho lindo que não deixa a mamãe desanimar nunca com sua alegria contagiante. Meus enteados sempre presentes e uma equipe médica com ótimos profissionais muito atenciosos, tem feito a diferença durante este processo.
Fiz a última quimioterapia vermelha no início desta semana. Agora iniciam as quimioterapias brancas e vacinas,  a cirurgia esta prevista para janeiro e após as rádios.
Tenho uma caminhada ainda pela frente, vou vivendo cada dia com gratidão e crendo na cura. Com certeza a descoberta do câncer fez com valorizasse a vida de uma forma diferente, percebi que somos fracos e sensíveis e precisamos cuidar da alimentação, fazer exercícios físicos. A vida é boa, pequenos gestos, estar com as pessoas que amamos é maravilhoso. Resolvi seguir em frente,  pois quero muito estar perto dos meus filhos para vê-los crescer, se formar, constituir uma família”.

“Resolvi seguir em frente,  pois quero muito estar perto dos meus filhos para vê-los crescer, se formar, constituir uma família”.

Gramado em busca da prevenção

Para estimular a participação da população no controle do câncer de mama, surgiu na década de 90, o movimento conhecido como Outubro Rosa. A data é celebrada todos os anos. Durante todo o mês de outubro, algumas instituições em Gramado organizaram campanhas, palestras e ações buscando conscientizar os gramadenses.

A Secretaria da Saúde promoveu uma palestra com o tema “Coma Saudável, pratique exercícios físicos e previna o câncer de mama”. O encontro que ocorreu no auditório da Secretária abordou assuntos como: a importância das atividades físicas como forma de prevenção ou como auxílio durante o tratamento do câncer de mama. Dicas de alimentos saudáveis e de alimentos prejudicais também foram apresentadas ao público pela nutricionista Michelle Mileto Troitinho e a educadora física Aline Amorim.

Outubro Rosa é prolongada

Segundo dados disponibilizados pela Diretora da Atenção Básica de Saúde de Gramado, Fernanda Meireles, até setembro de 2017, foram realizadas 1364 mamografias. E durante o mês de outubro foram liberadas 160 mamografias.

A Diretora explica que quando a mulher busca fazer sua mamografia, enfermeiros ou médicos disponibilizam o encaminhamento para o exame, e a Secretaria Municipal de Saúde libera para os laboratórios. Esse processo ocorre o ano inteiro, não somente no mês de outubro. Quando diagnosticada com câncer, a paciente é encaminhada para tratamento em Caxias do Sul, com transporte disponibilizado pela Prefeitura. Além disso, as mulheres também recebem acompanhamento psicológico.

“Neste ano estamos estendendo a campanha do Outubro Rosa durante todo o mês de Novembro/17 pela importância desta ação, em conjunto com a campanha do Novembro Azul – Prevenção do homem ao câncer de Próstata”, conta Fernanda.

Palestra em alusão ao Outubro Rosa debateu a importância da prevenção. Foto: Martina Belotto.

“Amarre-se pela Vida” segue até 15 de novembro

Neste ano mais uma campanha para previnir e combater o câncer de mama foi criada em Gramado, pela Intelimagen e Maximama. Com o slogan “Amarre-se pela Vida: Proteja-se contra o câncer de mama” a ação busca conscientizar as mulheres da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama, visto que se diagnosticado precocemente, o câncer de mama tem mais de 90% de chances de cura.

A sócia-proprietária do Intelimagem, Débora Souza expõe que a campanha busca envolver várias instituições da área da saúde: postos de saúdes, serviços prestadores e convênios. “Nos postos de saúde a ideia é abordar todas as mulheres em idade de realizar a mamografia. Mesmo que ela não estivesse ali buscando atendimento para ela. Mulheres que levam filhos, maridos, familiares para atendimentos nos postos de saúde. Ela seria abordada para saber se está cuidando da saúde, principalmente na prevenção do câncer de mama.” “Mulheres cuidam muito das pessoas que amam, mas esquecem de cuidar de si mesmas! O intuito era fazê-las ver isso também!”, conta Débora.

As mulheres que fizerem sua mamografia nas clínicas em diagnóstico por imagem Intelimagem e Maximama, no período da campanha, ganham um kit com lenço rosa, do tipo bandana, símbolo do “Amarrese pela Vida: proteja-se contra o câncer de mama”, além de um folder com orientações acerca do tema, e outro que explica as diversas maneiras elegantes de usar o lenço. Além do kit, também recebem 30% de desconto na realização do exame.

A sócio-proprietária também relata que este ano houve um aumento de 7,85% na realização da mamografia. Nesse sentido, a diretora da atenção básica afirma que em função da campanha houve um pequeno aumento nos pedidos de mamografia, em virtude da prevenção, mas porém, em outros meses também há procura, porque as mulheres religiosamente fazem anualmente sua mamografia.

A ação conta com o apoio da Secretaria de Saúde de Gramado e Gabinete da Primeira-Dama. “Outubro é o mês alusivo ao combate ao câncer de mama, mas queremos lembrar as mulheres que elas sempre devem buscar fazer sua mamografia, não somente neste mês. É importante que a mulher esteja sempre atenta ao seu corpo, que ela se conheça, e a qualquer alteração na mama procure um médico, pois quanto mais cedo for diagnosticado o câncer de mama, mais chance a mulher terá de preservar a mama e ter a cura”, alerta a primeira-dama Bianca Bertolucci.

Gramado também conta com a Liga de Combate ao Câncer

A Liga Feminina de Combate ao Câncer conta realiza ações o ano inteiro para apoiar seus usuários. Foto: Redes Sociais/Divulgação.

A Liga Feminina de Combate ao Câncer de Gramado foi fundada em 1976, já possui 71 anos. É composta de voluntárias mulheres, mas o atendimento é feito à todos os portadores de câncer sem sexo e sem limite de idade. As voluntárias trabalham nas visitas e na angariação de fundo para ajudar os pacientes necessitados da melhor maneira possível com medicamentos, exames, alimentação especial, passagens e em alguns casos se consegue combustível para o deslocamento a Caxias do Sul ou Porto Alegre, para que as pessoas possam fazer quimioterapia ou radioterapia. 

A vice-presidente da liga, Clara Prinstrop explica que os atendimentos são realizados em uma sala cedida pela Secretaria da Saúde, nas terças- feiras, junto ao Posto de Saúde do centro. O objetivo é realizar o acolhimento e cadastro dos pacientes e agendar visitas domiciliares durante a semana. “Quando um paciente adoece a família adoece junto e é muito difícil e caro este tratamento”, esclarece a vice-presidente.

Clara relata que a liga conta com 30 voluntárias e que os atendimentos variam todos os meses. Este mês elas receberam 22 pacientes, realizaram 38 atendimentos e 41 visitas. “No outubro rosa fizemos palestras preventivas, angariamos fundos para a liga e outros vários clubes fazem doações. Também recebemos uma parte da Prefeitura de Gramado através da Secretaria da Saúde. O povo gramadense é só amor e solidariedade. É muito lindo e carinhoso ver como eles colaboram com a liga”, comenta Clara.

A Liga Feminina de Combate ao Câncer trabalha o ano inteiro apoiando pacientes que possuem a doença. Para aquelas pessoas que ainda não realizaram o exame preventivo, este ano, as campanhas citadas estenderam suas ações. A Secretaria de Saúde, a Maximama e a Intelimagem fazem encaminhamentos e exames durante o ano todo. Previna-se e ajude a combater  e diminuir os índices da doença. Lembrando que o mês de novembro é alusivo ao “Novembro Azul”, campanha que previne o câncer de próstata.

 

 



2 COMENTÁRIOS

Comments are closed.