Documentário mostra que pessoas com síndrome de down podem ter mais autonomia

0
669
A Expedição 21 apresentou uma metodologia de aprendizado em formato de imersão. Foto: Divulgação.


Viver uma vida com mais autonomia e independência são metas alcançáveis para as pessoas com deficiência. Estes foram os resultados da imersão “Expedição 21”, realizada em novembro de 2018, em Florianópolis, com o objetivo de desenvolver a independência e autonomia de 18 adultos com síndrome de Down (sem a presença dos seus pais). A experiência, que foi gravada, será apresentada dia 18 de julho, às 16h, no Palácio dos Festivais.

Com duração de 70 minutos, o documentário (que deve chegar as plataformas digitais ainda em 2019) mostra os bastidores dos quatro dias da Expedição, as conquistas dos participantes após experiência, e como eles conseguiram quebrar seus próprios limites para se reconhecerem como adultos.

A produção contou com a participação de especialistas da área da Saúde e Educação do País como o médico geneticista Zan Mustachi, o neurocientista e neurocirurgião Fernando Pinto Gomes, a doutora em Educação e pesquisadora Carina Streda e a médica e pesquisadora do Hospital Albert Einstein, Ana Cláudia Brandão. 
A iniciativa do projeto Cromossomo 21 é do Educador Social (e também premiado diretor de cinema pelo filme “Cromossomo 21”) Alex Duarte.

– Qualquer ambiente segregador não será um ambiente onde o cidadão possa fazer o exercício da autonomia de forma real, pois sempre será fictício, superprotegido e segregado. Muito do que nós somos, independentemente de fatores genéticos, é resultado do contato que temos com o meio em que vivemos e das pessoas com as quais nos relacionamos durante toda a vida. A Expedição é um exemplo real de que a deficiência não limita – explicou.

SOBRE A EXPEDIÇÃO
Considerada uma experiência disciplinar e motivadora, a Expedição 21 apresentou uma metodologia de aprendizado em formato de imersão, onde os participantes foram separados em três times: Autonomia (Equipe Amarela), Maturidade (Equipe Preta) e Protagonismo (Azul).

Desde o momento em que entraram na casa, as equipes passaram por provas que exigiam responsabilidade, energia, trabalho em equipe, criatividade e principalmente tomada de decisão. Tiveram ainda aulas didáticas com convidados da área de empoderamento, direitos e deveres e moradia independente.

PESQUISA CIENTÍFICA
Após a Expedição 21, um dos participantes, o escritor Vinicius Streda, 28 anos, está morando sozinho. Em novembro deste ano, os resultados serão transformados em uma pesquisa de cunho científico organizado pelo neurocientista Fernando Pinto Gomes e um grupo de pesquisadores de São Paulo.

Prefeitura de Gramado

O evento conta como o apoio da Secretaria de Trânsito e Mobilidade Urbana de Gramado.

Informações: www.comossomo21.com.br e 51 989 533 438.