Delegado pede prisão preventiva e indicia motorista por tentativa de homicídio

0
12324
Delegado Barcelllos apresentou fotos inseridas no inquérito de 136 páginas que apurou as circunstâncias do atropelamento. (Foto: André Aguirre)


A Polícia Civil de Gramado concluiu o inquérito sobre o atropelamento de uma pedestre ocorrido na área central de Gramado. Por volta das 6h30 do dia 22 de julho, Helena Adams, 57 anos, foi colhida por um Onyx cinza, placas IUV 0356 (Gramado), quando concluía a travessia da faixa de segurança na Avenida das Hortênsias.

O comerciário Diego Roloff Arend, 27 anos, era o condutor do veículo e fugiu do local sem prestar socorro a vítima. Helena sofreu graves lesões, tendo inclusive fraturado a bacia. Moradora de Canela, ela estava indo trabalhar em uma pousada quando foi atropelada próxima a calçada. Por causa da gravidade dos ferimentos, Helena ainda não teve condições físicas de prestar depoimento na Delegacia de Polícia (DP) sobre os fatos.

No entanto, câmeras do circuíto público de vigilância eletrônica registraram quando ela foi atingida e testemunhas relataram a conduta de Arend momentos antes do atropelamento, elementos que contribuíram para que o indiciamento do motorista por tentativa de homicídio com dolo eventual. Na prática, o chefe da Polícia Civil em Gramado, delegado Gustavo Barcellos concluiu que Arend assumiu o risco de alcançar o resultado produzido estando dirigido embriagado, trafegando em velocidade acima do permitido no ponto onde ocorreu o atropelamento e possivelmente sob efeitos de entorpecentes. No trecho onde ocorreu o acidente, a velocidade máxima é de 40 Km/h.

“ELE ASSUMIU O RISCO DE MATAR UMA PESSOA”

“Pelos danos causados na vítima e no veículo, ele (Arend) andava em velocidade superior a permitida e deixou a vítima a própria sorte. As imagens falam por si só,” comenta Barcellos. “Ele assumiu o risco de matar uma pessoa,” acrescentou o delegado. A autoridade policial entendeu que as circunstâncias em que o atropelamento ocorreu foi um crime contra a vida e não um delito de trânsito, por isso, solicitou nesta semana ao Judiciário a prisão preventiva (por tempo indeterminado), de Arend. Se a tese de Barcellos for acolhida pela Justiça, o comerciário poderá enfrentar júri popular. Se não, o caso será encaminhado para o juízo comum.

ACHOU QUE TINHA ATINGIDO UM BICHO

Em depoimento na DP, Arend disse que não percebeu que tinha atropelado uma pessoa, mas que tinha atingido um bicho. O rapaz também afirmou que não consumia bebida alcoólica e não usava drogas, mas os investigadores reconstruíram os passos dele antes do atropelamento. A Polícia descobriu que o motorista esteve em uma casa noturna entre a 1hora e 6 horas tendo conforme relatos de pessoas que estavam com ele no estabelecimento ingerido bebida alcoólica em demasia.

“Testemunhas informaram que ele bebeu muita bebida, inclusive bebida destilada. Devido a sua embriaguez, amigos pediram para ele deixar o carro e ir de carona, o que não aconteceu” revela Barcellos.

MACONHA NO CARRO

Durante mobilização para localizar o veículo que atropelou Helena, a Polícia encontrou uma pequena porção de maconha dentro do Onyx dirigido por Arend. O carro foi encontrado na Linha Carazal, localidade onde o jovem reside. Depois de algumas diligências da Polícia, o rapaz apresentou-se na Delegacia. Em seu histórico policial, Arend é autor de uma lesão de trânsito.

Delegado Gustavo Barcellos destacou em entrevista para a imprensa “que as imagens falam por si só”. Confira vídeo que mostra o atropelamento:

https://www.facebook.com/gramadonews/videos/1332577140178344/