Costureira promove “corrente do bem” produzindo máscaras de proteção para trocar por alimentos e produtos de higiene

0
4405
Viviane Paiva é costureira há cerca de dez anos e pela primeira vez produz máscaras de proteção. Foto: Gilmo Giordani.


Da confecção dos vestidos de festas para a produção de máscaras de proteção. Essa é a realidade de centenas de costureiras atualmente, que em função da pandemia causada pelo Covid-19 e consequentemente, o isolamento social voluntário, não tiveram novas encomendas.

Há dez anos confeccionando vestidos adulto e infantil para festas, a costureira Viviane Martins Paiva, moradora de Canela, jamais imaginou que iria produzir máscaras para as pessoas se protegerem contra um vírus. Diante da atual situação, com os pedidos de março e abril cancelados, ela resolveu destinar este tempo para confeccionar máscaras de proteção. Mas, além de ajudar as pessoas com a proteção, Viviane decidiu fazer uma troca, ou como ela mesmo chama: uma corrente do bem.

“Aqui em casa sempre procuramos ajudar quem está necessitando. Após questionamentos de clientes se eu estava confeccionando máscaras de proteção, resolvi unir o útil ao agradável, ou seja, ajudo as pessoas a se protegerem do vírus, enquanto essas ajudam outras que estão precisando de alimentos. Assim formamos uma corrente do bem!”, conta Viviane.

Como ela explicou, a ação consiste em trocar as máscaras por alimentos, produtos de limpeza e higiene pessoal que serão doados aos que passam por dificuldades financeiras. Já nas primeiras horas em que a ação foi postada nas redes sociais, dezenas de máscaras foram encomendadas. “A iniciativa nas minhas redes sociais teve uma grande aceitação, creio que em breve terei centenas de pedidos”. E foi o que aconteceu. Até esta sexta-feira, 10 de abril, a costureira já confeccionou e entregou 220 máscaras.

Como encomendar?

As encomendas devem ser realizadas pelo contato (54) 98418-7248, que também é seu número de contato para o whatsapp. “Vale ressaltar que além de alimentos, estou trocando as máscaras também por produtos de limpeza e higiene pessoal”, destaca Viviane.

Orientações

De acordo com o Ministério da Saúde as máscaras cirúrgicas e N95 devem ser priorizadas e destinadas apenas para os profissionais da área, considerando que os serviços de saúde são os locais com maior potencial de concentração do vírus.

Mas, nas últimas semanas, conforme pesquisas, os órgãos nacionais e internacionais de saúde tem orientado que a utilização das máscaras caseiras, aliada as medidas de higienização pessoal (como lavar as mãos com água e sabão), ajudam a impedir a propagação do coronavírus, pois garantem uma barreira física, auxiliando na diminuição de casos.

Contudo, a Secretaria Municipal de Saúde de Gramado, recomenda que a comunidade pode confeccionar suas máscaras de forma caseira, desde que sejam produzidas de forma efetiva para a proteção.

Como utilizar a máscara caseira

  • O uso deve ser individual, não podendo ser compartilhada;
  • Não toque na máscara enquanto estiver usando e evite utilizar maquiagem;
  • Ao chegar em casa, antes de retirar a máscara, lave as mãos com água e sabão;
  • Evite sempre de tocar na parte da frente, para retirar pegue a máscara pelo elástico.

Higienização

A Secretaria Municipal de Saúde e o Ministério da Saúde orientam sobre a higienização das máscaras caseiras.

  • Para lavar as máscaras coloque-a de molho numa solução de água potável com água sanitária por 30 minutos. A proporção é 10ml de água sanitária para 500ml de água potável
  • Após ficar por 30 minutos imersa na água, enxágue com água e lave a máscara normalmente com água e sabão
  • Em seguida, não esqueça de lavar as mãos com água e sabão
  • Quando a máscara secar, passe-a a ferro quente e acondicione num saco plástico limpo
  • A máscara deve ser trocada sempre que houver umidade ou apresentar sujeira. Também deve ser utilizada por um período máximo de 3 horas, sendo trocada por outra após esse período
  • Quando retirar a máscara suja, coloque-a num saco. Quando for higienizá-la, coloque o saco no lixo.