Projeto idealizado por gramadense confecciona e doa enxovais para recém-nascidos

0
2503
Angela Maria é idealizadora e coordenadora do projeto e também confecciona mantas e kit em tricô. Foto: Arquivo Pessoal.


Uma ação movida por empatia, amor e a vontade de cuidar do outro. É o que se percebe ao conhecer a história do “Corações Afetuosos”, um projeto direcionado à mulher, que existe há quatro anos e tem um único objetivo: ajudar quem precisa.

Hoje, o “Corações Afetuosos” conta com a solidariedade de dez artesãs, que confeccionam roupas de tricô para bebê, crochê e cobertas de patchwork. Também são produzidos “polvinhos” de crochê para bebês prematuros e as Almofadas do Coração – primeira confecção realizada pelo grupo – para mulheres em tratamento do câncer de mama.

Idealizado pela gramadense Angela Maria de Oliveira, o projeto tem se mostrado importante para acalentar o coração de muitas mulheres que se tornaram mães nos últimos meses. A pandemia ocasionada pelo Covid-19 vem trazendo dificuldades financeiras para muitas famílias, que neste momento podem obter a ajuda de ações como esta.

Desde o início da pandemia, as artesãs estão com uma demanda maior em relação aos kit’s para os recém nascidos e prematuros, que são doados aos Hospitais de Gramado, Canela e Região. “Esse projeto tem um diferencial, eu sou uma pessoa que sempre procuro me colocar no lugar do outro. Sempre tento fazer deste trabalho uma corrente”, coloca Angela. Contudo, em abril, a produção dos quites passou a receber doações dos moradores do Residencial Laje de Pedra e do Grupo OM de Meditação.

Apoio da comunidade

“Com a pandemia, nossos encontros passaram a ser virtuais e, com mais tempo em casa, vi a necessidade de fazer coisas para contribuir com a comunidade. Aprendi a fazer mantinhas para bebê e investi nas primeiras, que doei para os Corações Afetuosos. Mostrei para o grupo de meditação e vários integrantes se dispuseram a contribuir”, conta a orientadora do grupo Lenora Santos.

A orientadora do Grupo OM de Meditação Lenora Santos e a idealizadora Angela Maria. Foto: Arquivo Pessoal.

De acordo com Lenora, desde o nascimento, o Grupo OM de Meditação é engajado em causas sociais. “Mensalmente, doamos alimentos para outra causa social, que enviava para o Santíssima Trindade. Mas, as vezes, dividíamos os alimentos com outras pessoas que precisavam”. Ela também menciona a ajuda recebida pelos integrantes da página “Mural Solidário”, que também estão apoiando a iniciativa.

“Conheci várias pessoas que abraçaram a causa dos bebês e que me doam roupinhas para eu repassar para o Corações Afetuosos. É uma super corrente do bem, muito importante e necessária, não só durante a pandemia, mas que está nascendo desse momento tão delicado que estamos vivendo” relata a orientadora.

Toucas de tricô confeccionas e doadas por moradora do Residencial Laje de Pedra. Foto: Arquivo Pessoal.

Como ajudar

O “Corações Afetuosos” atualmente tem sua sede no Centro de Cultura, sala 213. Para ajudar as artesãs nas confecções dos kit’s e almofadas, podem ser doados lãs para tricô, linha Ane (para crochê), linha para costura, tecido 100% algodão, fibra siliconizada, fibra em metro (média) e soft. Outras informações podem ser obtidas com a idealizadora do projeto pelo contato (54) 996438921.

Entidades beneficiadas

Nestes quatro anos de existência, o projeto já ajudou hospitais, centros de tratamentos, como também apoiou outras ações solidárias. Dentre os beneficiados estão: Instituto da Mama do Rio Grande do Sul – IMAMA, Hospital Santa Rita, Secretaria da Saúde de Gramado (foram doadas as Almofadas do Coração para pessoas em tratamento do câncer de mama). As roupas para bebê são entregues para mães carentes da comunidade e maternidades do Hospital Arcanjo São Miguel de Gramado, Hospital de Caridade de Canela – HCC, Hospital Santa Clara e São Antônio, ambos situados em Porto Alegre.

Sobre o “Corações Afetuosos”

Primeiramente chamado de “Almofadas do Coração”, a idealizadora Angela Maria de Oliveira conta que o projeto surgiu com a ajuda da Secretaria de Saúde de Gramado e no início era voltado a apoiar mulheres que estavam em tratamento do câncer de mama. Em outubro de 2016, foi lançado a nível municipal na programação do Outubro Rosa. “Foram distribuídas 300 “almofadinhas” do coração para as pessoas em tratamento. Foi o primeiro produto”, lembra Angela.

Em 2018, o projeto ganhou um espaço próprio. Assim, outras artesãs se juntaram a causa e além das almofadas do coração, as voluntárias passaram a confeccionar enxovais para bebês e polvos para recém-nascidos prematuros. “Começou com seis voluntárias e atualmente somos em dez mulheres. Hoje também há um grupo formado em São Francisco de Paula e outro em Três Coroas”, explica a idealizadora.

Para ela, que idealizou o projeto pensando em amenizar o sofrimento das mulheres com câncer de mama e prometeu, em um momento difícil da sua vida, que se ela vencesse aquela situação iria se dedicar mais ainda a esta iniciativa, o “Corações Afetuosos” é uma forma de demonstrar afeto para aqueles que estão passando por uma situação delicada.

“Esse projeto me encanta por tudo aquilo que a gente consegue atingir com ele. Defino ele como vida, amor, afeto, dedicação, compaixão e empatia. Um pouquinho do que eu tiro do meu dia a dia eu posso doar para quem está precisando”, diz Angela Maria.