Conselho Municipal de Saúde debate sobre álcool e drogas

0
832
O Conselho Municipal de Saúde faz reuniões mensais abertas à comunidade. Foto: Carlos Borges.


Na última semana ocorreu a reunião mensal do Conselho Municipal de Saúde (CMS), que teve por objetivo promover uma discussão sobre álcool e drogas, a partir da análise de dados, informações e indicadores do problema em Gramado, bem como apresentação dos serviços ofertados aos usuários através da Rede de Atenção Psicossocial. No município, integram a Rede o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), as comunidades terapêuticas Centro De Reabilitação Emanuel Região das Hortênsias (CRERH) e Vale a Pena Viver, e os projetos de prevenção ao uso das substâncias. No encontro, o CAPS apresentou os dados e fluxo de atendimentos e as ações que a Comissão de Prevenção ao Uso de Drogas está promovendo na cidade.

Somente em 2018, o CAPS teve o acompanhamento de 49 usuários por uso de álcool e 90 por uso de outras substâncias psicoativas. Atualmente a equipe do Centro atende a 656 pacientes, sendo que 139 buscaram o serviço do município por uso de álcool e/ou substâncias psicoativas. Além disso, durante o ano, foram disponibilizados agendamentos para 13 consultas compulsórias, onde desse total, apenas um paciente foi internado em leito psiquiátrico. Sete pacientes foram hospitalizados no Arcanjo São Miguel e dois encaminhados ao tratamento em comunidades terapêuticas.

A Coordenadora do CAPS, Vivian Freitas, explica que a desintoxicação dos pacientes dura em média de 15 a 30 dias, e hoje já ocorrem reuniões periódicas entre os profissionais do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) e as equipes de Saúde da Família vinculadas, com o objetivo de discutir casos e temas, pactuar ações, avaliar seus resultados e repactuar novas habilidades na Estratégia de Saúde da Família do Pórtico II, e em breve o processo iniciará também nas duas unidades da Várzea Grande. “Os pacientes que hoje são atendidos apenas no Centro passarão a ter atendimento também nas Unidades de Saúde do Município. Para isso já estão ocorrendo os treinamentos dos profissionais da área”, ressalta.

Além de todo trabalho realizado pelo CAPS, Gramado ainda conta com iniciativas na prevenção do uso de drogas. O médico psiquiatra Dr. João Alberto Martins apresentou os projetos aos participantes da reunião. “A dependência química é um problema muito grave e interfere diretamente na questão de segurança. Hoje, o Movimento Comunitário de Combate a Violência (MOCOVI) consegue arrecadar fundos que ajudam nos custos da Brigada Militar entre outros, o que auxilia nesta luta contra o tráfico. O projeto Águia, do Teachbeyond Janz Team e o Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd), ministrado pela Brigada aos alunos do 5º ano, também fazem a diferença, pois seguem juntos com o mesmo objetivo”, comentou.

O Presidente do Conselho de Drogas, Fabiano Watzawick, ressaltou que estão focados em ações mais articuladas para a prevenção no próximo ano, com foco na sensibilização da comunidade gramadense em geral da epidemia das drogas.

Ainda participaram do encontro, o Presidente do Conselho Municipal de Saúde, Cesar Maciel, o representante da Comissão de Prevenção ao Uso de Drogas, João Alberto Martins, representantes das comunidades terapêuticas, bem como equipe que atua nos atendimentos do CAPS.

O Conselho Municipal de Saúde faz reuniões mensais abertas à comunidade, sempre na terceira quarta-feira do mês, às 18h, no Auditório do Centro Municipal de Saúde, junto ao Postão.