Torneio de Câmbio reuniu 120 atletas no Perinão

0
1179
Prefeito Fedoca e a equipe do Câmbio de Gramado. Foto: Carlos Borges.


A prática de esportes é algo que deveria ser sempre incentivada, devido aos diversos benefícios que traz para o corpo e à mente. Para a melhor idade, além dos óbvios benefícios individuais, a integração e o envolvimento social entram em jogo também.

Com este objetivo, a Prefeitura de Gramado, a Secretaria de Esporte e Lazer, em parceria com o SESC Gramado, promoveram na última sexta-feira (5), o primeiro Torneio de Câmbio na cidade. O evento ocorreu no Ginásio José Francisco Perini, o Perinão, reunindo competidores de oito equipes de São Leopoldo, Ivoti, Dois Irmãos, Santa Cruz do Sul e Caxias do Sul, além de dois times locais. No total 120 atletas, acima de 50 anos, integraram a competição. Além disso, cerca de 80 pessoas prestigiaram o evento. O Prefeito João Alfredo Bertolucci, o Fedoca, participou da abertura do evento.

A equipe da Associação Caxiense de Cultura, Esporte e Lazer (Acacel), de Caxias do Sul, foi a grande campeã, seguida de São Leopoldo (vice-campeã) e de Dois Irmãos, que levou o terceiro lugar no torneio, na disputa com Santa Cruz do Sul.

“Buscamos fomentar eventos esportivos das mais variadas modalidades em Gramado. O Câmbio, que é um vôlei com passes adaptados, é um esporte que vem crescendo dia após dia, e além da parte esportiva promove a integração dos participantes e das equipes. Procuramos apoiar e incentivar os praticantes desta modalidade, que em sua grande maioria, são pessoas da melhor idade”, comenta o Secretário da pasta, Jacó Schaumloeffel.

Para 2019, os organizadores têm a pretensão de aumentar o torneio dividindo em categorias e realizando jogos durante todo o final de semana. “Além dos benefícios físicos, como a melhora da força de membros inferiores e superiores, cardiorrespiratórios e aumento da resistência, os ganhos psicológicos são muito importantes nesta faixa etária do Câmbio, como a socialização e disciplina, bem como o trabalho em grupo para o mesmo fim que une as pessoas e cria laços de amizade bem fortes. Isso observa-se bem na equipe local como também nas demais que participaram do torneio”, ressalta a educadora física e orientadora das aulas em Gramado, Cecília Kerpen.

De acordo com a comissão organizadora do evento todas equipes saíram muito satisfeitas do Perinão independente dos resultados e comentaram que o evento foi muito divertido e animado, prometendo sua volta no próximo ano. “Os times de Gramado lamentaram não ganhar as medalhas e troféus, pois estavam bem atuantes e unidos em quadra, mas para eles valeu muito a pena participar mesmo que não saíssem vitoriosos. Foi mais um aprendizado para o desenvolvimento da equipe de forma positiva! Levamos um pouco da positividade de cada grupo e pretendemos evoluir da nossa maneira”, completa Cecília.

Nuri Schaker, de 88 anos, que integra a equipe de Gramado há três anos, lamentou a perda nos jogos, mas garante que encontrou nova vida com o esporte. “Eu nasci de novo! O Câmbio mudou minha coluna, minha forma de viver, encontrei uma nova família. Se tivesse todos os dias, eu jogava em todos”, destacou.

A professora de educação física aposentada, Adriana Andrade Hoffmann, de 60 anos, esportista em Gramado, disse que é muito importante a cidade sediar um torneio da modalidade. “Isso só dá oportunidade para a gente treinar mais e ter mais incentivo. Esse ano quando a Prefeitura colocou o Câmbio dentro das suas atividades para a terceira idade, estimulou as pessoas a participarem. Antes era só o SESC e não tínhamos torneios aqui. Agora tivemos a oportunidade de jogar em casa. E tendo um campeonato, isso estimula a gente a participar mais, porque quem ganha é a nossa saúde, melhora a qualidade de vida em termos de coordenação motora, reflexo, memória, em todos os aspectos fisiológicos, estamos sempre em atividade. Ganhamos em saúde, em amizade, em felicidade!”, ressaltou Adriana.

Ficando em terceiro lugar, José Alcido Schuster, aposentado de Dois Irmãos, 64 anos, conta que iniciou no Câmbio há seis anos. “Somos bicampeões regional. Neste ano vencemos a etapa em Morro Reuter e competimos a final em São Leopoldo, ficando em 6º lugar do Estado, entre 40 equipes. E, participar em Gramado não poderia ter sido melhor, porque para ganhar a sorte sempre tem que ajudar um pouquinho. Fomos terceiros colocados, poderia ter sido o primeiro, mas faz parte do jogo e a organização foi muito boa”, destacou.

Neusa Vetturazzi, 60 anos, presidente da Acacel, grande campeã, disse que a equipe participa de diversos torneios pelo Estado. “Pra nós a competição é uma integração, o resultado é uma consequência. O importante é os amigos que fizemos e pra nós da terceira idade o Câmbio é um lazer. Ganhando ou não ganhando a gente se diverte muito”.