Blocos de Carnaval aguardam apoio da Prefeitura para realização de ensaio

0
1237
Prefeito Fedoca e Secretário Allan reuniram-se com dirigentes carnavalescos.


A um mês do Carnaval, a participação dos blocos no Gramado Fantasia deverá ser definida até o fim desta semana. O impasse vem ocorrendo porque até o momento as agremiações não dispõem de locais para ensaiar.

A cedência de espaços públicos fechados para a preparação dos tradicionais desfiles é o único pedido dos blocos para a Prefeitura.

Neste ano, a folia contará com a participação de quatro blocos: 100 Juízo, Quereu Bebeu, Velhinhos e Sópranois. O Quis Um Gole não participa há três Carnavais e o Diz Meu Cafezinho – um dos mais tradicionais da folia gramadense – também não irá sair em 2018.

A tendência, é de que nesta sexta-feira, 12 de janeiro, por determinação do chefe do Executivo municipal, Fedoca Bertolucci (PDT) agentes públicos disponibilizem espaços para que os componentes de blocos possam afinar as baterias e ajustar fantasias para desfilar nos salões dos clubes Minuano, Recreio Gramadense e no ExpoGramado.A Prefeitura não vai abrir mão do Carnaval,” afirma Fedoca.

Locais como o Ginásio José Francisco Perine (Perinão) e a sede da Secretaria de Educação não devem ser ocupados para ensaios porque receberão atividades agendadas anteriormente.

Baile no ExpoGramado

A administração municipal realizará o baile da festa momesca no domingo, 11 de fevereiro, com provável animação da Banda Famma. O conjunto musical também irá embalar as comemorações nos salões.

O Poder Público observa que não promoverá as demais festas porque a Minuano e a Sociedade Recreio Gramadense solicitaram a promoção dos bailes.

Em um primeiro momento, a Secretaria de Cultura elaborou projeto de captação de recursos via lei de incentivo federal no valor de R$ 400 mil para a execução do Gramado Fantasia, mas como os clubes promoverão os demais bailes, a proposta não foi levada adiante.

Capacidade para 800 foliões

No Expo, o Carnaval será realizado no auditório do centro de eventos com capacidade para 800 foliões. No ano passado, a Prefeitura aplicou aproximadamente R$ 80 mil na realização de três noites de Carnaval. Com isso, foi alcançado um lucro de R$ 60 mil, sendo a metade em bilheteria. O valor foi direcionado para o Fundo Municipal de Cultura, que atendeu a dez projetos em benefício da população.

Bebida paga pelos componentes

O carnaval por ser uma festa popular também tem a sua ideia cultural. Os clubes, de uma forma muito feliz, realizarão os seus dias de festa. O Poder Público não poderia ficar de fora desta atividade social e cultural”, comenta o titular da Cultura, Allan John Lino.

Gostaria de deixar bem claro que quem organiza o evento não são os blocos. Os blocos participam da festa e sendo assim automaticamente não recebem valores para participar do Carnaval. È importante a comunidade saber que os blocos não estão ali simplesmente para beber ou usufruir do dinheiro do Poder Público para beber. Quem banca a sua própria bebida são os blocos”, conclui o secretário.