“Anjos da Lei” apreende mais de 30 kg de maconha em 2017

0
1431
Mais de 30kg de maconha foram apreendidos durante a operação em 2017. Foto: Divulgação.


A Delegacia Regional de Gramado divulgou nesta terça-feira (20) os resultados da operação que iniciou em maio de 2017, e que visa reprimir o tráfico de drogas e outros crimes no entorno das escolas das nove cidades que compõe a sua área de atribuição.
Buscando reprimir de forma qualificada o tráfico no entorno das escolas e universidades, bem como nas praças públicas e áreas de aglomeração de jovens estudantes, a 2ª DPRI idealizou uma operação permanente de repressão que visa detectar a presença dos narcotraficantes nesses locais, separando-os dos usuários de drogas, para que todos sofram as conseqüências penais de suas condutas de forma correta.

Porque Anjos da Lei

A operação foi denominada “Anjos da Lei”, em referência a um seriado americano dos anos 80, no qual um grupo de jovens policiais se infiltrava nas escolas para investigar crimes cometidos por alunos e indivíduos de suas relações. Em algumas oportunidades, faziam-se passar por estudantes e conseguiam penetrar na estrutura das gangues juvenis, resolvendo casos de tráfico, homicídios, roubos e outros crimes graves. Com isso, não só reprimiam os delitos de forma eficaz, mas também preveniam que jovens delinquentes evoluíssem para condutas criminosas mais graves. As reuniões do grupo eram feitas numa capela abandonada, vindo daí a denominação “Anjos da Lei”.

A operação “Anjos da Lei” encontra amparo no Art. 40 inciso III da Lei antidrogas, que sanciona com dois terços a mais de pena aquele traficante que vende entorpecentes nas dependências ou imediações de estabelecimentos prisionais, de ensino ou hospitalares, de sedes de entidades estudantis, sociais, culturais, recreativas, esportivas, ou beneficentes, de locais de trabalho coletivo, de recintos onde se realizem espetáculos ou diversões de qualquer natureza, de serviços de tratamento de dependentes de drogas ou de reinserção social, de unidades militares ou policiais ou em transportes públicos. Para sua execução, são destacados agentes policiais para acompanhamento do entorno das escolas sabidamente alvos dos traficantes.

A observação do agente treinado sobre a movimentação escolar consegue diferenciar o traficante do usuário, eis que essa é uma das táticas utilizadas pelos criminosos para dificultar sua prisão. Trazendo pequenas quantidades de entorpecentes, os traficantes, ao serem abordados, se dizem usuários, frustrando a autuação em flagrante diante pela autoridade policial, que não tem informações suficientes e seguras para enquadrá-los como traficante.
Porém, com relatórios de campanas, filmagens e fotografias, mesmo estando o suspeito com pequena quantidade de droga e se dizendo usuário, poderá ser autuado em flagrante por tráfico, com absoluta segurança jurídica.

Operação em 2017

Durante a operação, no ano de 2017, foram realizadas mais de trinta ações nas cidades de Gramado, Canela, São Francisco de Paula, Cambará do Sul, Igrejinha, Três Coroas, Taquara, Rolante e Riozinho, quando os agentes realizaram quarenta e três prisões, além da apreensão de quatro adolescentes infratores e apreensão de significativa quantidade de entorpecentes. As maiores apreensões foram de maconha, com mais de 30 kilos, além de 1.480 pedras de Crack e quase 100g de cocaína. Além disso,foram apreendidas diversas armas de fogo, armas brancas(facas)e objetos trocados por drogas em poder dos traficantes.

A operação está sendo reiniciada em 2018, com o retorno das atividades escolares, em todas as cidades que compõe a área de atuação da Delegacia Regional, contando com o apoio de efetivo e recursos materiais.
Segundo o Delegado Regional Heliomar Franco, “por mais que importantes palestras de prevenção cheguem até os estabelecimentos de ensino, elas são eventuais e esporádicas, ao contrário da ação dos traficantes que estão próximos – e, às vezes, até dentro – das escolas e universidades, diariamente oferecendo drogas a estudantes.”
“Os jovens, pelas suas próprias peculiaridades, buscam prazer, entrosamento social, aceitação e popularidade entre seus pares. Algumas vezes estão inseridos em quadros de desestruturação familiar, revoltados ou buscando algum tipo de amparo ou fuga, tornando-se presas fáceis e frágeis aos que vendem entorpecentes. Com essa operação, porém, temos absoluta certeza de que contribuímos para que a oferta de drogas não esteja tão próxima de quem deveria estar preocupado apenas em estudar e se aperfeiçoar.”

Ainda segundo o Delegado Heliomar, a operação somente teve êxito graças à participação da comunidade escolar e sociedade em geral, que repassaram informações à polícia.
Denúncias de tráfico nas cidades de toda a região, principalmente no entorno das escolas, podem ser feitas anonimamente pelo telefone 54 3295-1079, da Delegacia Regional de Gramado, com a garantia da preservação do sigilo.

Foto: Divulgação.

Foram apreendidos também cocaína, dinheiro, celulares. Foto: Divulgação.